terça-feira, 31 de outubro de 2006

  Interdisciplinariedade

Uma crítica à linguagem jurídica encontrada em um livro sobre a linguagem jornalística:

Para evitar que no texto jornalístico surjam termos que adquiram significados a partir de fórmulas congeladas, ou seja, expressões fixas de caráter ritualístico em cujo sentido ninguém presta atenção, o autor sugere que o texto jornalístico seja submetido constantemente a críticas, para que os termos que nele são usados sejam sempre revisitados. O mesmo princípio poderia também ser aplicado aos textos jurídicos, pois se trata de “uma atividade crítica que, se aplicada nos cartórios, substituiria ‘Venho, pelo presente, solicitar a V. S.ª...’ por ‘Peço-lhe’; e consideraria insensato escrever ‘Nestes termos, peço deferimento’, por absoluta impossibilidade de alguém não querer o deferimento do que requer, ou pretender o deferimento em outros termos que não os seus”*.
Nas petições em processos judiciais, o valor da expressão “Nesses termos, peço deferimento” é tão ritualístico, que muitas vezes o advogado simplesmente coloca a forma abreviada “N.T.P.D”, por meras exigências de formalidade. Ora, se o advogado pede algo, é óbvio que ele espera por deferimento (aliás, deferimento também é uma palavra confusa... porque não simplesmente pedir que o juiz aceite o pedido?) – a menos que o advogado queira ir contra os interesses do cliente, ou esteja agindo contrário a seus interesses e convicções pessoais. Mas, mesmo assim, mesmo que o pedido fira sua própria moral, e pelo menos por questões puramente éticas (ética do advogado, ética do profissional), o advogado deve esperar pelo deferimento. E ter a pretensão de que, de preferência, esse deferimento seja concedido nos termos em que é pedido.

* LAGE, Nilson. Linguagem Jornalística. 2. ed. São Paulo: Editora Ática, 1986, p. 35-36

Marcadores: ,




domingo, 29 de outubro de 2006

  Eleições, 2° turno

Lula presidente, Yeda governadora. Não participei da escolha, não tenho o direito de reclamar. Mas pelo menos não ficou um só partido no comando do país e do estado (consolo barato).
Em tempo: a justificativa é um processo tão... sem graça. Tu vai lá, pega um formulariozinho, preenche com os teus dados, entrega, recebe um comprovante, e lá se vai a oportunidade de exercer a cidadania. Não entendo como que, mesmo com tanta tecnologia, ainda não se possa votar em qualquer lugar que se esteja. As eleições tinham que ter caráter itinerante. Urnas conectadas em rede. Deveria ser possível votar em qualquer lugar! (um dia, quem sabe).

Marcadores:




sábado, 28 de outubro de 2006

  Orkut e Justiça

Parece que o Orkut está finalmente começando a concordar em colaborar com a Justiça. A Google Inc. anunciou na quarta-feira um pacote de medidas para intensificar a fiscalização sobre conteúdos impróprios para o site. Uma das novidades seria a criação de um canal direto entre a empresa (cuja sede se encontra nos EUA) e as autoridades brasileiras. Na maior parte dos processos envolvendo o Orkut, o Ministério Público costuma acionar a Google Brasil (que se defende dizendo que os dados das páginas do Orkut são controlados pela sede da empresa em território norte-americano), e, para pressioná-la, geralmente as ações vêm acompanhadas de salgadas multas diárias para o caso de descumprimento. A idéia de criar esse canal direto para denúncias facilitaria a vida das vítimas dos crimes virtuais que acontecem no Orkut.. As ações se encerrariam mais rápido, e haveria a possibilidade concreta de retirar páginas do ar sempre que alguém se sentisse prejudicado.
A idéia é boa. Pena que vem numa hora em que o Orkut já está praticamente em decadência.
Outras medidas mais sutis já tinham sido adotadas há mais tempo para prevenir os eventuais desvios de comportamento do Orkut. Já há algum tempo, houve uma mudança nos termos de uso do site, que passou a atribuir ao usuário a responsabilidade por qualquer conteúdo disponibilizado nas páginas da rede social (se bem que é meio utópico imaginar que bastaria dizer “a partir de agora a culpa é toda tua” para que os usuários passassem a se comportar adequadamente). Não muito tempo depois, o Orkut passou a permitir que cada uma das comunidades tivesse até 10 moderadores (além do proprietário) para contribuir no controle da informação. O próximo passo é criar o canal direto com a Justiça brasileira :)

Marcadores:




quinta-feira, 26 de outubro de 2006

  Porto Alegre

Hoje cansei de ficar em casa e dei uma volta por Porto Alegre, sozinha. Passeei um pouco pela redenção, sozinha. E também fui ao shopping, sozinha. A ida ao shopping foi particularmente interessante. Lá dentro, eu não sabia aonde ir, o que fazer, ou para onde olhar. Dei voltas e mais voltas, subindo e descendo escadas, totalmente sem rumo. Entrei em algumas lojas, fiz um lanche na praça de alimentação, passei pelo menos uma hora lendo os títulos de livros na Saraiva (babando) e saí de lá com Discurso das Mídias, do Charadeau. Mas havia pelo menos outros 15 livros que eu gostaria de ter levado junto :P Os preços estavam relativamente bons (eles resolveram aplicar já antes os descontos promocionais da Feira do Livro, que começa amanhã - aliás, pena que hoje ainda não tem a Feira do Livro para olhar, porque se tivesse, certamente ia ser lá que iria passar o meu dia.
Enfim, apesar de tudo, meu dia não foi tão monótono quanto pensei que seria. Já até não estou achando tanta sacanagem a PUC ter colocado a mostra de pôsteres na quarta e as apresentações orais na sexta, deixando um mega vácuo na quinta.

Marcadores: ,




terça-feira, 24 de outubro de 2006

  Não sei planejar

Eu precisaria de pelo menos mais um dia para planejar minha viagem* de amanhã de manhã (agora já está meio em cima). Estou sem cartão no celular. Não tenho dinheiro (no sentido físico da palavra) – tudo o que tenho está na conta, e o caixa eletrônico mais perto daqui de casa não estava funcionando nem hoje de manhã nem hoje de tarde. Preciso arrumar uma mala que seja ao mesmo tempo completa, compacta e pequena (seria mais ou menos como tentar colocar um elefante dentro de uma necessaire). Há várias coisas legais que eu poderia fazer nesse resto de semana. Há várias coisas não tão legais que precisariam ser feitas nesses dias também (trabalhos de faculdade, por exemplo). Como não sou nada organizada (minha falta de planejamento é crônica), tem um zilhão de coisas pendentes que ficaram (e permanecerão) para a última hora. Mas espero que no fim dê tudo certo :)

* Hipérboles à parte, trata-se de uma curta viagem a Porto Alegre para apresentar um trabalho. Rápido, fácil, indolor (assim como tirar um bandaid, mas sem que haja um machucado embaixo). O grande problema mesmo é que faltou planejar.

Marcadores:




segunda-feira, 23 de outubro de 2006

  Sobre o cálculo do homem médio em crimes de imprensa

"Em qualquer caso [ofensa à moral ou aos bons costumes], a ação há que ser auferida com os padrões médios de pudor da coletividade, a fim de se verificar a ocorrência do crime. Não pode o magistrado decidir se houve ou não o crime tomando como base, exemplificando, os padrões médios de moralidade de um convento que pela sua própria natureza são de recato ou de uma coletividade de "hippies" de vida e costumes desregrados" (Prática, Processo e Jurisprudência. Vol. 16: Crime de Imprensa, J. E. de Carvalho Pacheco, 1976, p. 31)


Livros mais antigos são divertidos. Estou lendo também um de jornalismo de 1985 (nem é tão antigo assim) que descreve minuciosamente o funcionamento do modelo mais moderno (para a época) de câmara filmadora. Muito legal. É interessante perceber o quanto as coisas evoluem em tão pouco tempo :) (Se bem que, na determinação do homem médio, segue valendo as regras básicas sugeridas pelo livro de 1976... o humor da situação reside nos exemplos extremados :P).

Marcadores:




sábado, 21 de outubro de 2006

  Happy Deepawali!

Um dos meus amigos indianos do Orkut me enviou hoje um belo cartão desejando um feliz Deepawali. Resolvi pesquisar para saber do que se trata, e descobri que o Deepawali, também conhecido como Diwali, é uma gigantesca festa hindu que acontece uma vez por ano na Índia. Neste ano, o festival ocorre a partir do dia 21 de outubro. A celebração dura cinco dias. O festival simboliza a vitória do bem sobre o mal, e luzes são acesas como um sinal de celebração e esperança para a humanidade. Por conta disso, o Diwali é também conhecido como o “Festival das Luzes”. A palavra tem origem na palavra sânscrita Deepavali. Deepa quer dizer luz. Avali significa linha. O significado literal de Diwali é, portanto, linha de luzes.

Marcadores: ,




  Os índices de acesso à Internet no Brasil segundo o Ibope

Essas pesquisas do Ibope sobre a Internet brasileira são divertidas -- ao menos por conta da maneira como a mídia costuma divulgá-las (de forma super simplificada e, em geral, descontextualizada).
O número de usuários sempre aumenta (ora, e como haveria de diminuir? Quem é que vai ser doido de desistir de ter Internet?), o Brasil é sempre o líder no número de horas de acesso mensal per capita (dentre os dez países em que a análise é feita com a mesma metodologia), e o número de mulheres que acessam a Internet está em franca ascensão. Então, se é tudo sempre igual, qual o motivo que leva os jornais a divulgar sempre os mesmos resultados? (a idéia do novo – “nova pesquisa Ibope revela...”, a idéia de continuidade – “mais uma pesquisa do Ibope confirma...”, a idéia de cientificidade – “desta vez, a quantidade de acesso aumentou em x%...”, ou até de repente a idéia de notoriedade da instituição promotora da pesquisa – “IBOPE anuncia que...”).
Escolhi três notícias aleatórias via para exemplificar. Na primeira, o título enfatizava o aumento no número de internautas. Na segunda, a ênfase era no aumento da presença feminina. E a terceira dava destaque às horas de conexão. Somente esta última apresentava uma ressalva diferente na linha de apoio: apesar do aumento, o número de usuários ativos permanece o mesmo.

Marcadores:




  As diferentes formas de ser ético

Nunca tinha parado para pensar em como os princípios que regem cada profissão costumam ser diferentes. Ser ético para um jornalista, por exemplo, é procurar ouvir os dois lados da história. Ele deverá apresentar as duas versões, ainda que ele saiba qual dos dois é o culpado.
A ética do advogado é diferente: ele deve defender o seu cliente – ainda que ele seja o culpado. Mas o advogado, ao defender os interesses de seu cliente, não deve se colocar acima da lei. A defesa deve se basear em fatos concretos. Nada justificaria a necessidade de mentir em um processo, por exemplo. Um bom advogado saberá defender seu cliente utilizando-se de argumentos válidos. Se o agente é culpado, uma advogado pode, por exemplo, instruí-lo a confessar o crime, para depois poder alegar a atenuante da confissão na hora de defender o cliente. O que não dá é para insistir na inocência quando se é flagrantemente culpado. Pior ainda: não se pode atribuir a outrem a culpa quando se sabe quem é o culpado.
A conduta de um advogado é regulado pela lei 8.906/94, também conhecida como Estatuto da OAB.
O jornalista tem suas atitudes regradas pelo Código de Ética do Jornalismo. O texto é muito bonito. Mas os artigos são excessivamente amplos e abertos, o que gera um certo tom de vaguidade (curiosidade inútil: fui fazer a prova dos 1000 resultados no Google para saber se a palavra vaguidade existe ou não, e só encontrei resultados associando o termo a textos jurídicos :P).

Marcadores:




sexta-feira, 20 de outubro de 2006

  Academicismos

Ontem, palestra do na ECOS. Humor mordaz, crítica ácida à mídia. Uma experiência ímpar.
Hoje, caí de pára-quedas na sessão 45 do Celsul. Muito interessante. Eram quatro trabalhos de alunos de Mestrado. Um sobre os códigos de ética do advogado e do jornalista, outro sobre interdiscurso no webjornalismo, um terceiro relacionando a teoria do jornalismo com as situações de trabalho dos jornalistas, e o quarto sobre as designações atribuídas pela mídia aos jogadores de futebol na Copa do Mundo. Enfim, trabalhos sobre Direito, trabalhos sobre Jornalismo. Nem parecia uma sessão de apresentação de trabalhos de um evento de Lingüística.

Marcadores: ,




quinta-feira, 19 de outubro de 2006

  Excesso de atividades

Parafraseando o Gilberto, meu novo endereço é Praça Conselheiro Maciel, n° 215. (Há controvérsias quanto à necessidade de se colocar no número ao enviar alguma correspondência, pois se trata do único prédio localizado dentro da praça).

Sabe aquela história de que o ensino universitário não pode ser dissociado da pesquisa e da extensão? Pois é, acho que estou levando isso um pouquinho demais ao pé da letra. Faço estágio, participo de um projeto de extensão, pesquiso (de forma totalmente voluntária, mas, ao menos em tese, pesquiso), e, nas horas vagas, também faço dois cursos universitários. O resultado disso tudo é que sempre parece que falta tempo para fazer as coisas. Muitas idéias ficam inconclusas. Muitos pensamentos são suspensos temporariamente, e depois acabam sendo esquecidos de serem retomados. Faço muita coisa. Mas também, por conta disso, tenho que deixar de fazer muita coisa (como postar no blog :P). Por que os dias não têm mais horas? Por que não há mais dias por semana? Por que o céu é azul?

Someday we'll know
If love can move a mountain
Someday we'll know
Why the sky is blue
Someday we'll know
Why I wasn´t meant for you

New Radicals – Someday We’ll Know

Marcadores: ,




domingo, 15 de outubro de 2006

  Coraline

, de , é um livro infantil (ou infanto-juvenil, whatever) que, diferentemente dos outros do gênero, leva o leitor-criança a sério. Assim com Alice no País das Maravilhas, era esse tipo de coisa que eu gostaria de ter lido na infância (a diferença é que Coraline não existia na minha infância – o livro é de 2003).
O livro narra a história de Coraline Jones, uma menina muito corajosa que acaba de se mudar com a família para um prédio antigo, dividido com outros moradores estranhos que são incapazes de dizer o nome da menina de forma correta (“É Coraline, e não Caroline”). Coraline está em férias, e por isso precisa encontrar maneiras criativas de passar seu tempo. Como já leu todos os livros que possui, e não encontra nada de interessante para ver na tevê, a menina decide que o melhor que tem a fazer é “explorar” os arredores de seu novo lar. E é explorando o pátio e a casa que ela vai encontrar uma porta misteriosa na cozinha. Ao destrancá-la, Coraline percorrerá um corredor que a levará para um mundo diferente, onde tudo acontece de forma misteriosa. Tudo é muito similar a sua própria casa, mas ao mesmo tempo, tudo é diferente. Do outro lado, ela tem outros pais, seus vizinhos dizem seu nome de forma correta, as refeições são mais gostosas, e sua outra mãe, diferentemente da mãe real, está sempre disposta a brincar com Coraline. Mas coisas estranhas acontecem, num suspense eletrizante (vale lembrar: suspense em nível infantil :P). Em um determinado momento, Coraline quer voltar, mas não consegue... Ou melhor, consegue, mas nada está como era antes. Seus pais estão desaparecidos. Ela até tenta conversar com um policial sobre o “seqüestro” de seus pais, mas o homem do outro lado da linha não a leva a sério: “'I think my other mother has them both in her clutches. She may want to keep them and sew their eyes with black buttons, or she may simply have them in order to lure me back into reach of her fingers. I'm not sure.'”. Assim, para escapar das garras de sua outra mãe, Coraline contará apenas com a ajuda de um gato preto. Que fala.
Vale a pena ler o livro :) É tão bom que dá até vontade de voltar a ser criança (se bem que, no fundo, acho que nunca deixei de ser criança...).
[Link para o site oficial]

Marcadores:




sábado, 14 de outubro de 2006

  Admirável Mundo Novo

"O wonder!
How many goodly creatures are there here!
How beautious mankind is!
O brave new world,
That has such people in't!" (Shakespeare, The Tempest, Ato V, Cena I)

"Admirável Mundo Novo” foi escrito na década de 30 pelo inglês Aldous Huxley. O título da obra vem da fala de Miranda do livro “A Tempestade”, de Shakespeare. Apesar de ter sido escrita há mais de 70 anos, o conteúdo de Admirável Mundo Novo permanece atual. A obra conta a história de uma sociedade totalmente organizada e planejada, na qual as pessoas são fabricadas em laboratório já com seus destinos predeterminados. Para que não haja reação à estabilidade, os indivíduos passam por reiterados condicionamentos ao longo da infância, como ouvir repetidas vezes as mesmas frases durante o sono para que lhes sejam incutidos pensamentos conformes ao sistema. As pessoas são treinadas para não manifestarem suas vontades e desejos. Para manter a felicidade, há o soma, uma droga química poderosa, distribuída em rações diárias para os trabalhadores.

Em um mundo repetitivo e monótono, onde o pensamento é cerceado, não faz sentido haver religião. Deus é Ford. Ao invés do sinal da cruz, faz-se o sinal do T. Os anos são contados a partir de Ford, tido como o pai da produção em série (no filme, até os humanos são produzidos em série – não há famílias, apenas superembriões capazes de gerar milhares de seres humanos idênticos). Para que a estabilidade seja mantida, essa insólita sociedade abomina mudanças. O pensamento científico e as artes são terminantemente proibidos. A higiene é cultuada. Não há doenças. Mas, em compensação, também não há sentimentos. Todos vivem felizes porque desconhecem uma outra forma de se viver.

Aqueles que, mesmo com todo o condicionamento, conseguem desenvolver o pensamento crítico e criativo são mandadas para ilhas para viver em comunidades. Ainda há “selvagens” no mundo, que ficam em aldeias bem demarcadas e são encarados como algo exótico. Selvagens são os que vivem como os seres humanos da época em que o livro foi escrito (em famílias, em casas, etc.).

Apesar da distopia, será que as novas descobertas científicas e invenções tecnológicas não estariam nos levando em direção a uma vida parecida com a narrada no livro? O homem fica maravilhado com as possibilidades abertas a cada novo invento e quer logo colocá-las em prática, mas muitas vezes se esquece de analisar os impactos possíveis dessa descoberta na vida das pessoas. Obviamente, não se tem como parar os avanços tecnológicos, mas é preciso ir com calma. Ao invés de se maravilhar com cada descoberta, as pessoas deveriam se preocupar em avaliar o impacto que ela poderá causar na sociedade antes de colocá-la em prática. Sem ordem e controle (paradoxal! é preciso ordem e controle para que se evite ainda mais ordem e controle!), sem pensar nas implicações éticas de um invento ou descoberta científica, poderemos acabar numa sociedade tal qual a narrada em Admirável Mundo Novo.
“– Mas eu não quero conforto. Quero Deus, quero a poesia, quero o perigo autêntico, quero a liberdade, quero a bondade. Quero o pecado.
– Em suma – disse Mustafá Mond –, o senhor reclama o direito de ser infeliz.
– Pois bem, seja – retrucou o Selvagem em tom de desafio. – Eu reclamo o direito de ser infeliz." (Aldous Huxley, Admirável Mundo Novo, 2. ed., Editora Globo, 2006, p. 291)

É preciso reclamar o direito de ser infeliz, antes que seja tarde demais... Temos o direito de sentir, de sofrer, de sorrir, de chorar, enfim, de viver - nem que para isso tenhamos que abrir mão de certas comodidades do mundo em que vivemos.

Marcadores:




sexta-feira, 13 de outubro de 2006

  Blogs como Quinto Poder

De acordo com a divisão clássica de Montesquieu, os três poderes são o Executivo, o Legislativo e o Judiciário. Já há mais de um século a Mídia vem sendo tratada como uma espécie de Quarto Poder, pois caberia a ela fazer a crítica dos outros três poderes. Mas quem criticaria a mídia?
Baseado nisso, já está sendo defendida na blogosfera a idéia de que blogs (e as demais ferramentas colaborativas da Internet, como fotologs, videologs, wikis, e até mesmo as experiências de jornalismo cidadão) exerceriam uma espécie de Quinto Poder, pois nesses lugares é possível fazer uma verdadeira crítica da mídia. Cada vez mais as pessoas tenderiam a caminhar rumo a uma descentralização da produção de informações. Isso poderia fazer com que os grandes conglomerados midiáticos começassem a ruir, a menos que se abrissem para as experiências de participação dos cidadãos na produção da informação.
Não sei se os blogs já estão suficientemente desenvolvidos e articulados para serem considerados como um Quinto Poder (talvez chamá-los assim seja um pouco de exagero), mas uma coisa é certa: bem ou mal, eles criticam a mídia.

Marcadores:




quinta-feira, 12 de outubro de 2006

  Especial dia das crianças


Joguinhos online para despertar a criança grande que há dentro de nós

Hapland: o objetivo do jogo é abrir o portalAdoro esses joguinhos que a gente tem que quebrar a cabeça para tentar solucionar. Fiquei viciada nisso a partir das aulas de Comunicação e Multimídia na faculdade. Além de Hapland (o joguinho da foto), há também a seqüência de joguinhos do Grow Cube, versões 1, 2 e 3, e o Chronon, do Eyezmaze.com. Hapland também tem sua continuação.
Hoje tive a idéia de procurar outros joguinhos com a tag hapland no Stumble, e achei muita coisa legal, como o Rhetundo Island e o Idustrial Place Thingy. Para quem gosta de jogos tão confusos ao ponto de fundir a cuca, há também os enigmas (riddles) mega complexos, como o Doubt (também com versão 2), o Faz Sentido Riddle (brasileiros) e o Notpron (que se autoproclama o mais difícil de todos – ele até emite certificados para quem consegue resolver os 139 níveis!). Para os que preferem coisas mais simples, há várias opções no Plastelina, como o Wolf, sheep & cabbage, e os joguinhos tradicionais, idiotas e sem graça (mas viciantes) do Yahoo! Games.

Acho que neste post tem diversão suficiente para o (resto do) feriado inteiro. :) Feliz dia da criança pra vcs! :P

Marcadores: , ,




  Google Docs & Spreadsheets

Saudades das cores alegres e vibrantes do Writely. O Google Docs & Spreadsheets é tão... sério, frio e Google-like (googlish?). De qualquer modo, é inegável o quanto o Google está contribuindo para a produção coletiva de documentos e planilhas via Internet :)

Marcadores:




quarta-feira, 11 de outubro de 2006

  Do Relatório Macbride à Nova Ordem Internet[1]

O relatório Macbride[2] foi um documento publicado pela UNESCO[3] em 1980 com o objetivo de analisar os problemas da comunicação no mundo em sociedades modernas, principalmente a questão da comunicação de massa e a imprensa internacional. O projeto recebeu este nome porque o texto foi elaborado por uma comissão presidida pelo irlandês Seán MacBride, vencedor do prêmio Nobel da Paz em 1974 por sua luta pelos direitos humanos.
Segundo a Wikipedia, alguns dos problemas identificados no documento eram a concentração da mídia (poucos produtores detém/detinham o controle de muitos meios), a comercialização da informação (e o papel centralizador das agências de notícias norte-americanas e européias) e o acesso desigual à informação e à comunicação (mesmo com a previsão da proteção desse direito na Declaração Universal dos Direitos do Homem de 1948[4], ele não estaria sendo plenamente assegurado pelas legislações dos diferentes países). Outra questão fundamental diz respeito ao desequilíbrio nos fluxos de informação entre o primeiro mundo e os países em desenvolvimento.
A solução proposta pelo relatório era a de promover uma maior democratização da comunicação (a partir de um maior acesso às fontes de produção e maior acesso ao produto final) e o fortalecimento das mídias nacionais (para evitar as influências externas, como no tocante ao papel das grandes agências internacionais de notícias).
A elaboração do relatório faz parte da idéia da Nova Ordem Mundial da Informação e da Comunicação, um projeto internacional de reorganização dos fluxos globais de informação lançado em 1970 pelo movimento dos Países Não-Alinhados (e com o apoio da UNESCO).
Apesar da boa intenção, as medidas sugeridas pelo relatório não foram plenamente aplicadas. Os interesses dos envolvidos no projeto não são totalmente compatíveis com os interesses capitalistas dos produtores de informação. Com o passar dos anos, a pauta de discussões em comunicação na Unesco foi sendo modificada. Outros temas passaram a fazer parte das discussões da organização, como a democratização da informação e a sociedade da informação. Os temas ligados ao acesso ao ciberespaço, como a inclusão digital, foram bastante discutidos na Convenção de 2003 da Cúpula Mundial sobre a Sociedade da Informação. Para Ignacio Ramonet, estar-se-ia caminhando em direção a uma Nova Ordem Internet.
A discussão quanto ao futuro da Internet é também relevante. Enquanto isso, entretanto, os temas ligados à produção da informação vão sendo deixados um pouco de lado...




Notas:
[1] Em clima de trabalho de Ética para a Comunicação sobre o Direito Social à Informação. Matéria medíocre, assunto interessante :P
[2] Também conhecido como “Um mundo, muitas vozes” (ou pelo nome “científico”, completo e original: Communication and Society Today and Tomorrow, Many Voices One World, Towards a new more just and more efficient world information and communication order)
[3] Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura
[4] Artigo 19 Todo o homem tem direito à liberdade de opinião e expressão; este direito inclui a liberdade de, sem interferências, ter opiniões e de procurar, receber e transmitir informações e idéias por quaisquer meios, independentemente de fronteiras (Declaração Universal dos Direitos do Homem, ONU, 1948)

Marcadores: , ,




segunda-feira, 9 de outubro de 2006

  Fim das provas

Finalmente a minha eterna-semana-de-provas se encaminha para um fim. Falta só uma prova na semana que vem, e o terceiro bimestre do ano estará terminantemente encerrado. Essa história de encaixar uma semana de provas em outra não é nada divertido. As postagens deste blog deverão voltar ao "normal" (seja lá o que for essa tal normalidade) a partir desta semana :)

Marcadores: ,




sexta-feira, 6 de outubro de 2006

  A interatividade no jornalismo online

Valendo-me de uma das prerrogativas fornecidas pelo jornalismo online (a interatividade, decorrente das características do próprio meio Internet), enviei um e-mail através do Fale Conosco do site do Terra informando sobre um erro numa notícia (faltava uma palavra em uma frase do texto). Hoje recebi uma resposta muito simpática deles, agradecendo por avisar do erro e informando que o mesmo tinha sido corrigido. Um trecho do e-mail:

"Muito obrigado pela sua mensagem. É através da interação com nossos usuários que poderemos corrigir eventuais erros e seguir em frente com o compromisso de melhorar continuamente nossos produtos e serviços."


Muito bacana. Eu até me sentiria comovida, exceto pelo fato de que o erro era de uma matéria de abril, e eles só foram me responder hoje, em pleno outubro, 6 meses depois.
A notícia foi corrigida. Faltava a palavra mundo no final do primeiro parágrafo.

Marcadores:




segunda-feira, 2 de outubro de 2006

  Os altos índices de consumo de pães em padarias

Uma pesquisa fez o levantamento dos itens mais comprados nas padarias de quatro capitais brasileiras. Surpresa no primeiro lugar da lista: o item mais comprado em padarias é o pão (!). – E eles precisaram de uma pesquisa que lhes dissesse isso?
Na verdade, essa pequena nota da Zero Hora mostra o quanto a descontextualização da informação pode vir a prejudicá-la. Esses resultados fazem parte de uma pesquisa muito mais complexa, que procurou avaliar o perfil dos consumidores em padarias, mercadinhos e lojas de conveniência. O produto mais comprado em padarias é apenas um dos dados revelados pela pesquisa (e seria de se estranhar se o pão não encabeçasse essa lista). Em lojas de conveniência, por exemplo, os produtos mais consumidos são, infelizmente, os cigarros.

Marcadores: ,




domingo, 1 de outubro de 2006

  Internet + Eleições

Essa lentidão na conexão com a Internet deve ter algo a ver com todo mundo querendo acompanhar os resultados da votação ao vivo pela web. Só isso poderia explicar os mais de 15 minutos para abrir o Gmail.
Em tempo: 99,8% das urnas apuradas do RS. Meus candidatos estão sendo bem votados. Exceto para senador - decidi na hora de votar e só fui "conhecer" meu candidato (ver a foto) na urna eletrônica :P Votei pelo partido (se é que ainda existem partidos políticos neste país!)

Marcadores:


flickr
   

 feed

receba as atualizações do blog por e-mail



categorias academicismos
amenidades
blogs
direito
filmes
google
internet
livros
memes
mídia
orkut
politiquês
querido diário
stumbles
tecnologia


sobre
about me
del.icio.us
flickr
last.fm
orkut
43metas
nano novel
textos
flog
stumbleupon
Gilmore Girls





blogroll
animaizinhos toscos
argamassa
ariadne celinne
atmosfera
bereteando
blog de lynz
blog del ciervo ermitaño
direito de espernear
direito e chips
dossiê alex primo
efervescendo
enfim
every flower is perfect
garotas zipadas
giseleh.com
grande abóbora
hedonismos
il est communiqué
jornalismo de resistência
jornalismo na web 2.0
lavinciesca
marmota
novos ares
pensamentos insanos
rafael gimenes.net
reversus
sententia
universo anárquico
vidacurta.net
vejo tudo e não morro
w1zard.com


arquivo
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007


etc.










Save the Net

Stumble Upon Toolbar

Creative Commons License

Official NaNoWriMo 2006 Winner