domingo, 15 de outubro de 2006

  Coraline

, de , é um livro infantil (ou infanto-juvenil, whatever) que, diferentemente dos outros do gênero, leva o leitor-criança a sério. Assim com Alice no País das Maravilhas, era esse tipo de coisa que eu gostaria de ter lido na infância (a diferença é que Coraline não existia na minha infância – o livro é de 2003).
O livro narra a história de Coraline Jones, uma menina muito corajosa que acaba de se mudar com a família para um prédio antigo, dividido com outros moradores estranhos que são incapazes de dizer o nome da menina de forma correta (“É Coraline, e não Caroline”). Coraline está em férias, e por isso precisa encontrar maneiras criativas de passar seu tempo. Como já leu todos os livros que possui, e não encontra nada de interessante para ver na tevê, a menina decide que o melhor que tem a fazer é “explorar” os arredores de seu novo lar. E é explorando o pátio e a casa que ela vai encontrar uma porta misteriosa na cozinha. Ao destrancá-la, Coraline percorrerá um corredor que a levará para um mundo diferente, onde tudo acontece de forma misteriosa. Tudo é muito similar a sua própria casa, mas ao mesmo tempo, tudo é diferente. Do outro lado, ela tem outros pais, seus vizinhos dizem seu nome de forma correta, as refeições são mais gostosas, e sua outra mãe, diferentemente da mãe real, está sempre disposta a brincar com Coraline. Mas coisas estranhas acontecem, num suspense eletrizante (vale lembrar: suspense em nível infantil :P). Em um determinado momento, Coraline quer voltar, mas não consegue... Ou melhor, consegue, mas nada está como era antes. Seus pais estão desaparecidos. Ela até tenta conversar com um policial sobre o “seqüestro” de seus pais, mas o homem do outro lado da linha não a leva a sério: “'I think my other mother has them both in her clutches. She may want to keep them and sew their eyes with black buttons, or she may simply have them in order to lure me back into reach of her fingers. I'm not sure.'”. Assim, para escapar das garras de sua outra mãe, Coraline contará apenas com a ajuda de um gato preto. Que fala.
Vale a pena ler o livro :) É tão bom que dá até vontade de voltar a ser criança (se bem que, no fundo, acho que nunca deixei de ser criança...).
[Link para o site oficial]

Marcadores:




Comentários:

Blogger tina oiticica disse:
Gosto muito de literatura infantil e de folklore. Lia muito antes de me dedicar aos estudos antropológicos. Homem é um desperdício. Quanto mais poderia ter lido.
 


Participe desta conversação :)



<< Voltar para o blog
flickr
   

 feed

receba as atualizações do blog por e-mail



categorias academicismos
amenidades
blogs
direito
filmes
google
internet
livros
memes
mídia
orkut
politiquês
querido diário
stumbles
tecnologia


sobre
about me
del.icio.us
flickr
last.fm
orkut
43metas
nano novel
textos
flog
stumbleupon
Gilmore Girls





blogroll
animaizinhos toscos
argamassa
ariadne celinne
atmosfera
bereteando
blog de lynz
blog del ciervo ermitaño
direito de espernear
direito e chips
dossiê alex primo
efervescendo
enfim
every flower is perfect
garotas zipadas
giseleh.com
grande abóbora
hedonismos
il est communiqué
jornalismo de resistência
jornalismo na web 2.0
lavinciesca
marmota
novos ares
pensamentos insanos
rafael gimenes.net
reversus
sententia
universo anárquico
vidacurta.net
vejo tudo e não morro
w1zard.com


arquivo
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007


etc.










Save the Net

Stumble Upon Toolbar

Creative Commons License

Official NaNoWriMo 2006 Winner