quinta-feira, 30 de março de 2006

  Amazônia privada

A dica é da Carol. Um milionário sueco comprou uma área de 1.628km² da Amazônia. O objetivo? Preservá-la. Johan Eliasch é presidente de uma empresa de materiais esportivos e amante de árvores. Ele não pretende fazer absolutamente nada com sua nova "fazendinha" -- simplesmente vai deixar lá, do jeito que está, de modo a impedir novos desmatamentos (a esse respeito, o título da matéria do Sunday Times (primeiro jornal a noticiar o fato) é bastante incisivo: "It's my rainforest now. No logging.")
(Do jeito que as coisas andam nesse país, é bem capaz que um dia simplesmente tachem as terras dele de 'improdutivas' e a Amazônia seja incluída na Reforma Agrária!)




  Espaço

E então o Brasil foi para o espaço. Literalmente.



terça-feira, 28 de março de 2006

  A bolacha e o biscoito

Uma bolacha estava toda saltitante pela rua cantando:
- Eu sou uma bolacha! Eu sou uma bolacha!
Um biscoito muito invocado, falou:
- Escuta aqui, sua bolacha maldita. Pára de cantar senão eu atiro.
Ela nem ligou para o que ele disse e continuou cantando.
De repente: puf! O biscoito deu um tiro na bolacha. A bolacha olhou para baixo, viu aquele enorme buraco em sua barriga, e não teve dúvidas ao continuar a cantar:
- Eu sou uma rosquinha! Eu sou uma rosquinha!




  Patético


Do site How to make Garfield funny... remove his thought balloons

Estou me sentindo como o Jon, hoje... É como se a vida não tivesse sentido, mas, no entanto, percebo sentido por todos os lados... É como se cada parte existisse isoladamente, mas tudo fosse tão desconexo que o todo não fizesse sentido realmente...




domingo, 26 de março de 2006

  Sentidos

Meus cinco sentidos não andam nada bem... :P



  Estúpidos jogos em flash

A julgar pelo joguinho, ainda tenho que treinar bastante para conseguir passar na prova da carteira de motorista.

Eu deveria estar analisando sites, e não interagindo com eles... :P




  Frase do dia

"Question everything... But why?" :P



sábado, 25 de março de 2006

  Raiva momentânea

Cansei de ser boa aluna. Chega. BASTA. De agora em diante, só leio o que tiver vontade. Só faço os trabalhos que valerem a pena ser feitos. Só pego livros na biblioteca quando for necessário.
Estou de mal com quem quer que tenha inventado (ou colaborado para reproduzir) a máxima que diz que para fazer Direito tem que ler muito. Unf.
E estou de cara com o Submarino, também (tomara que ele afunde), porque o livro que eu queria se tornou disponível um dia depois de eu realizar uma mega compra. Sabe-se lá quando vou ter dinheiro para fazer outra.




  Quem tem medo de levantar a mão?

Imaginem a cena: sexta-feira à noite, último período. Minha última aula da semana. Eu estava em um estado de semi-consciência seletiva (aquele em que a gente tem uma vaga noção do que está acontecendo no mundo a nossa volta, enquanto viaja profundamente em pensamentos insanos) quando a professora, do nada, perguntou se havia alguém na sala que não assistisse televisão. Minha reação quase instintiva foi a de erguer a mão. Eu estava sentada na primeira fileira habitada (terceira fila), numa sala com mais de cinqüenta pessoas. Sim, era a única mão levantada. Olhei para trás, e notei cinqüenta pares de olhos me olhando com incredulidade, noventa por cento pertencente a desconhecidos (aliás, de onde tiram tanto aluno estranho a cada semestre? será que a universidade contrata figurantes para nos confundir e colocar em situações embaraçosas?). Silêncio geral (o legal é que alguns segundos antes estavam todos conversando... hipócritas :P). Era como se eu fosse uma bizarra peça de exposição em um museu, um objeto que talvez não devesse estar ali. Um ET, um alienígena. Freak. Eu já estava me sentindo a última pessoa sobre a face da Terra, de um tamanho inferior ao de uma mitocôndria (sim, porque de uma formiguinha eu já tinha passado há muito tempo), quando uma criatura sentada ao fundo da sala ainda fez questão de me fazer ressaltar que não vejo televisão porque eu não quero (e não porque não tenho, ou porque me falte tempo, sei lá, justificativas bem mais... plausíveis)... Tentei remendar, dizendo que quando eu tinha TV a cabo eu assistia seriados.... mas a coisa só piorou. Tudo o que eu queria naquele momento era fugir para a fila 9 e ½ e nunca mais sair de lá. Era como se eu estivesse sendo processada em um tribunal (sem direito a ampla defesa, sem direito ao contraditório!), e qualquer coisa que eu dissesse poderia ser usada contra mim. A partir de então, resolvi que o melhor era mudar para o estado de alerta, prestar atenção no restante da aula, e não mais me manifestar pelos próximos 1782177261 anos.
Mais tarde cheguei em casa, procurando conforto, e relatei o caso para minha mãe. Ela me chamou de maluca porque eu não vejo televisão.
Okay. Eu sou anormal. Acho que vou precisar aprender a conviver com isso. (Mas, peraí... por que não dizer que são os outros os anormais? :P Viva a relatividade! \o/).




quarta-feira, 22 de março de 2006

  Google mania

Passo a passo:
1. Entre no Google.
2. Digite 'failure'.
3. Aperte o botão 'Estou com sorte'.
Sorria :)

Marcadores:




terça-feira, 21 de março de 2006

  McFeliz (sem o Lanche)

A Justiça brasileira determinou que em até 9 meses (vai nascer? :P) o McDonalds deverá dar a opção de comprar o brinquedo do McLanche Feliz em separado. A medida deverá agradar crianças (que poderão ter o brinquedo sem ter que comer o lanche), jovens (que não mais precisarão passar pela embaraçosa situação de ter de pedir um McLanche Feliz completo -- isso quando não alega que o pedido é para o irmãozinho mais novo imaginário!) e adultos (comprar somente o brinquedo provavelmente será mais barato que comprar o lanche inteiro... a menos que os caras do McDonalds resolvam ser sacanas e decidam cobrar o mesmo preço :P hoho).
Dica: o brinquedo deste mês é muito bacana... :D




segunda-feira, 20 de março de 2006

  Internet rápida

Meta cumprida. Primeiro post ADSLzada :D



domingo, 19 de março de 2006

  Complô

Aviso do condomínio afixado no interior do elevador do meu prédio: racionamento diário de água no período compreendido entre 14h e 18h. O que eles têm contra quem estuda de manhã e de noite, e possui apenas a parte da tarde para realizar as tarefas domésticas? Ein, ein, ein? :P




sábado, 18 de março de 2006

  PocketMod

À primeira vista pode parecer meio idiota, mas a idéia é bem interessante. PocketMod é um organizador pessoal pequeno, prático, simples, rápido e fácil de usar. Nele, é possível fazer anotações importantes, incluir listas de supermercado, consultar calendários, criar partituras musicais, e vem até com joguinhos! E, o mais legal: é muito barato. Na verdade, custa o preço de uma folha de papel (que é tudo o que você vai precisar para criá-lo). O invento é recomendado para aqueles que acham que carregar uma agenda é algo muito grande e complicado, ou operar um palm ou pda uma tarefa muito tediosa (ou cara).
Para criá-lo, basta acessar o site e seguir as instruções. É possível criar online blocos de notas com páginas pré-configuradas (as sugestões incluem calendários, linhas para partituras musicais, tabelas, folhas pautadas, e até jogos como pontinhos, sudoku e jogo da velha), ou então baixar o programa para criá-las livremente. Dá até mesmo para converter arquivos pdf para o seu PocketMod! Depois de concluir a produção (em cada pocket é possível incluir até 6 páginas, além de capa e contracapa), é só imprimir, recortar e dobrar. O resultado é uma espécie de mini-livro, do tamanho ideal para se carregar no bolso e levar para qualquer lugar.
Bizarro ou não, veio em boa hora para substituir o meu ex-palm (espero que o ladrão feliz esteja cuidando bem dele).
A sugestão foi encontrada no StumbleUpon.




  A fantástica história das moedas de 1 centavo

A notícia é velha (afinal, o que é o ‘novo’?), mas vale a pena ser comentada. A revista Veja divulgou nota na semana passada dizendo que o Banco Central havia parado de produzir moedas de 1 centavo. A medida contribuiria para a já bastante utilizada tática de arredondar os preços para cima, o que levaria a um pequeno aumento na inflação dos preços (hoho, que belo plano malévolo para tirar dinheiro do ‘cidadão de bem’!!).
Acontece que a nota divulgada foi desmentida pelo governo. A produção de moedas de 1 centavo havia sido paralisada para evitar uma “superpopulação” de moedas de um mesmo valor (se há tantas moedas, por onde elas andam?), mas já foi retomada.. Pelo mesmo motivo, o BC estaria estudando uma forma de melhorar a circulação de notas (e moedas) de 1 real.
Polêmica básica: Com as moedas de 1 centavo sumindo do mercado, como fazer para acabar com a ditadura do arredondamento para cima? :P
Aliás, alguém já parou para pensar na quantidade exorbitante de moedas de 5 centavos que estão em circulação?? Só no meu ‘porquinho’ (metáfora para ‘caixinha disforme e sem graça onde as moedas são colocadas’) tem umas 50! E os caras ainda vão se preocupar com a quantidade de moedas de 1 centavo? Poo... (Mas, afinal, as moedas de 1 centavo realmente existem? Ou são apenas um ente abstrato destinado a permitir pequenas extorsões de dinheiro quando - invariavelmente, sempre - em falta? Moeda de 1 centavo é ficção científica!!)




quinta-feira, 16 de março de 2006

  Sinal de vida

Gosto dessa época do ano em seguida de quando começam as aulas (leia-se, as aulas do Direito começaram nesta segunda-feira) porque parece que os dias são mais longos que o normal. A sensação é a de que as manhãs duram bem mais que pouco mais de 5 horas, e que as noites são igualmente longas. Quase se pode dizer que as tardes são muito pequenas para se colocar tanta matéria, tanta leitura em dia.
Hoje dediquei a minha tarde toda (ou ao menos boa parte dela) para organizar as demais tardes desta e da próxima semana (para que matérias estudar, que tipo de coisa pesquisar, quais livros ler, o que fazer para se divertir...). Em tese, vai dar tempo de fazer tudo o que pretendo. Mas pena que na prática nem tudo funciona do jeito que se quer :P
A meta a curto prazo é deixar de negligenciar este blog (:P) e voltar a fazer leituras diárias de informação (o jornal está indo direto de ‘objeto sobre a mesa’ para a categoria ‘embrulho de peixe’). E o bom é que partir da semana que vem já vou ter ADSL! :D – as madrugadas de suplício na Internet estão com os dias contados...

P.S.: E a cada dia cresce mais a certeza de que, quando eu 'crescer' (longitudinalmente), não vou trabalhar em nada relacionado à área jurídica... :P




  1° Boletim

Eleições 2006 – O candidato à presidência pelo PSDB será Geraldo Alckmin.

Texto do meu primeiro boletim de rádio, que vai ao ar neste sábado, no programa de laboratório da faculdade na Rádio Alfa:

“O candidato à presidência da República pelo PSDB nas eleições de outubro será Geraldo Alckmin. A decisão foi anunciada nesta semana pelo presidente do partido, o senador Tasso Jereissati. O outro possível candidato era o prefeito de São Paulo, José Serra. Ele desistiu de concorrer à candidatura para evitar disputas internas no partido. Alckmin é o atual governador de São Paulo. O mais provável é que os outros concorrentes na eleição de outubro sejam o atual presidente Lula, a senadora do PSol Heloísa Helena e um candidato do PMDB, que poderá ser Germano Rigotto ou Anthony Garotinho. A escolha final será feita nas prévias do partido, amanhã, dia 19.
Gabriela Zago, para a Rádio Zero.”


Dia 15 de abril a gente apresenta nosso próprio programa :)




domingo, 12 de março de 2006

  Orkut e Justiça

Agora que o Orkut já deixou de ser uma febre no Brasil, o Google concordou em colaborar com as investigações criminais de casos que envolvam o site de relacionamentos Orkut. Será o (começo do) fim da impunidade online?

Marcadores:




sábado, 11 de março de 2006

  Castelo de areia

Historinha inútil recebida via e-mail. Se você entender as primeiras palavras, seu cérebro decodifica automaticamente as demais :)

3M UM D14 D3 V3R40, 3574V4 N4 PR414, 0853RV4ND0 DU45 CR14NC45 8R1NC4ND0 N4 4R314. 3L45 7R484LH4V4M MU170 C0N57RU1ND0 UM C4573L0 D3 4R314, C0M 70RR35, P4554R3L45 3 P4554G3NS 1N73RN45. QU4ND0 3575V4M QU453 4C484ND0, V310 UM4 0ND4 3 D357RU1U 7UD0, R3DU21ND0 0 C4573L0 4 UM M0N73 D3 4R314 3 35PUM4.. 4CH31 QU3, D3P015 D3 74N70 35F0RC0 3 CU1D4D0, 45 CR14NC45 CH0R4R14M. M45 N4O. C0RR3R4M P3L4 PR414, FUG1ND0 D4 4GU4, R1ND0 D3 M405 D4D45 3 C0M3C4R4M 4 C0N57RU1R 0U7R0 C4573L0. C0MPR33ND1 QU3 H4V14 4PR3ND1D0 UM4 GR4ND3 L1C40; G4574M05 MU170 73MP0 D4 N0554 V1D4 C0N57RU1ND0 4LGUM4 C0154 3 M415 C3D0 0U M415 74RD3, UM4 0ND4 P0D3R4 V1R 3 D357RU1R 7UD0 0 QU3 L3V4M05 74N70 73MP0 P4R4 C0N57RU1R. M45 QU4ND0 1550 4C0N73C3R 50M3N73 4QU3L3 QU3 73M 45 M405 D3 4LGU3M P4R4 53GUR4R, 53R4 C4P42 D3 50RR1R!! S0 0 QU3 P3RM4N3C3 3 4 4M124D3, 0 4M0R 3 C4R1NH0. 0 R3570 3 F3170 4R314.




  TV Digital

E a novela da escolha do padrão de TV Digital a ser adotado no Brasil continua... Tudo bem que se trata de uma decisão difícil, que determinará o futuro do país numa das áreas mais abrangentes da comunicação de massa e tudo o mais, mas bem que podiam dar um jeito de se decidir de uma vez. Tudo seria bem mais fácil se houvesse um padrão global para TV Digital, assim como o que ocorre, em tese, com a Internet.




quinta-feira, 9 de março de 2006

  Conspiração

Um passarinho malvado me acertou hoje no ombro esquerdo. O que isso significa? (Maldita mania essa a dos humanos de querer encontrar sentido em tudo!)

Desde que os passarinhos me acertaram pela última (primeira) vez, em agosto do ano passado (mais especificamente, no dia do meu aniversário), eu vinha desviando da fatídica árvore da frente da faculdade para evitar que a história se repetisse (impossível escapar do destino; a História se repete em ciclos!). Mas hoje eu pensei “dane-se!”, e passei por baixo da árvore, conscientemente, na hora em que cheguei para a aula. Nesse momento, não aconteceu nada. Então senti que estava imune a este mal, e baixei totalmente a guarda. Na hora do intervalo, uma hora em que supostamente os passarinhos deveriam estar dormindo, um deles, provavelmente com insônia, resolveu me atingir... Pô, por que isso foi acontecer logo no dia em que eu tinha decidido que já era hora de fazer as pazes com esses bichinhos? :P Eu passo por aquela árvore praticamente todos os dias (impossível manter a guarda a todo momento). Por que logo quando decido que não há motivo para me preocupar, a preocupação logo reaparece?
Bom, ao menos desta vez foi no ombro (e não bem no meio da cabeça, com direito a deslize de meleca ao longo dos cabelos).

Cultura inútil – por que o cocô dos passarinhos é branco?
Os passarinhos excretam diretamente o ácido úrico (e não a uréia dissolvida em água, como fazem os mamíferos). Por ser pouco solúvel em água, o ácido úrico acaba saindo como uma gosma branca.

Mas como não é só de passarinhos que se faz o mundo, também hoje dois cascudinhos suicidas me acertaram no olho quando eu estava na biblioteca da faculdade (os cascudinhos vão dominar o mundo! A era Google já era!), um grilo quase me deixou surda ao passar muito perto do meu ouvido, e a lagartixa (eu realmente espero que seja a mesma) voltou a aparecer no meu apartamento.




quarta-feira, 8 de março de 2006

  Bagunça eleitoral

Até quando vai durar essa queda de braço Legislativo X Judiciário na questão das coligações partidárias? Primeiro, a Câmara votou a PEC a favor da liberação das alianças eleitorais em nível estadual. Logo depois, foi a vez do TSE se manifestar em sentido contrário. Agora, é o Senado o maior interessado em se aprovar de uma vez a emenda constitucional que acaba com a verticalização. Mas ainda falta um pronunciamento oficial do STF acerca da matéria.
E tem gente que ainda consegue se manter fiel a suas convicções partidárias...




terça-feira, 7 de março de 2006

  Animais falantes

Nãããão! A Marcha dos Pingüins levou o Oscar de melhor documentário. Era só o que faltava agora virar moda colocar vozezinhas infantis nos filhotinhos de animaizinhos em documentários!! Aaaah! E se resolverem criar personagens adolescentes?? Imaginem uma jovem elefantinha, de piercing na tromba e tatuagem no lombo, dizendo "mamãe, mamãe, preciso fazer dieta porque estou me sentindo muito gorda!". Fala sério! — Se bem que talvez eu não tenha envergadura moral para reclamar da questão da antropomorfização de bichinhos...




  Teoria da Conspiração

A última coisa que eu imaginava ler numa Zero Hora de domingo (e, no entanto, supreendentemente, estava lá! — só pode ser coisa de alienígenas!) era um texto irônico e bem-humorado acerca das Teorias Conspiratórias. E com chamada de capa, inclusive! Apesar de falar tudo aquilo que qualquer um interessado em conspirações já deveria saber, vale a pena dar uma olhada... Tem até o caso recente da gripe aviária (a empresa que desenvolveu o único remédio que supostamente pode curá-la tem como um de seus acionistas o secretário de defesa dos Estados Unidos, o que corrobora para a hipótese de a doença ser (mais uma) invenção americana), mas sem deixar de mencionar, é claro, o caso das clássicas comunidades do Orkut que alegam que o Acre e o Suriname, de fato, não existem (ou acaso você conhece alguém que já esteve em algum desses lugares? ein? ein? ein? :P).




sábado, 4 de março de 2006

  Verticalização

O Tribunal Superior Eleitoral decidiu manter a regra da verticalização para as eleições deste ano (mas ainda resta uma chance de a mesma não ocorrer, pois o STF ainda não se manifestou acerca da matéria). A decisão do TSE contraria a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) que propunha o fim da verticalização das coligações partidárias — O TSE, por sua vez, alega que não foi respeitado o princípio da anualidade, pois para que uma mudança eleitoral seja considerada constitucional é necessário que a mesma seja realizada com no mínimo um ano de antecedência do pleito (esse princípio serve para resguardar a segurança política do país em ano de eleição). Para que a PEC tivesse valor, seria preciso alterar também o dispositivo constitucional que concede o prazo de um ano. Foi por essas e outras (a verticalização também poderia contribuir para o fortalecimento ideológico dos partidos políticos no Brasil) que os ministros do TSE, por cinco votos a dois, decidiram manter a verticalização ainda para a eleição de 2006.
O sistema de coligações funcionará do mesmo modo que nas eleições passadas (2002): qualquer aliança eleitoral realizada em nível nacional deverá ser mantida também nos estados. A medida impede que cada estado formule suas próprias alianças com base em sub-ideologias locais. Apesar de tudo, pode ser que a manutenção (forçada) da verticalização sirva para solidificar as nossas frágeis ideologias partidárias... Porque, do jeito que a coisa está, acho difícil que consiga dizer com firmeza que um determinado partido brasileiro é de esquerda ou de direita.

Marcadores:




  Web 2.0

No início da era virtual, os sites da internet limitavam-se a prestar informações aos usuários. Na Web 2.0, a regra é a participação.
A cada dia intensifica-se o movimento de descentralização da Web. Os sites têm se tornado cada vez mais verdadeiros pontos de encontro e confraternização entre os usuários (e não "lugares para se visitar", como antigamente). É o que ocorre, por exemplo, na tecnologia P2P, empregada por softwares como o BitTorrent, no qual a transferência de arquivos é realizada entre os usuários, que se tornam ao mesmo tempo fonte e destinação dos downloads, pois são eles mesmos que fornecem os arquivos que irão baixar, permitindo uma maior diversidade e disponibilidade de arquivos, algo impensável na internet de alguns anos atrás.
Há também uma nova ordem de classificação de sites (o hiperlink é a base da internet, e atua como elo ligador entre as diversas páginas, fazendo com que a web seja de fato uma teia de informações e interações), antes baseada no esquema da taxonomia e a classificação por diretórios (estáticos, criados pelo site-base) para o sistema de "folksonomy", no qual o visitante é convidado a participar da escolha da categoria, com o sistema de tags.
Várias características podem ser usadas para descrever o movimento de Web 2.0. Uma delas é que a "contaminação" se dá por via viral: esses sites raramente fazem investimentos pesados propaganda, e seu sucesso ocorre meramente pela satisfação no uso e o conseqüente comentário boca a boca. E, quanto maior o número de usuários, melhor o serviço. Os sistemas melhoram com o uso, já que os usuários podem fornecer novos dados (como o que ocorre com o Google, cujo banco de dados é aumentado a cada pesquisa feita e a cada site criado).
O fenômeno Google, por sua vez, é considerado impossível de ser abalado pela Microsoft por conta de seu dinamismo (enquanto a Microsoft requer que seus usuários a procurem de tempos em tempos para atualizar os programas que utiliza, o usuário do Google apenas precisa acessar os programas como sempre o faz para notar as diferenças automaticamente. É um tipo de abordagem completamente diferente — focado nas necessidades do usuário, e não na geração de lucros —, no qual os ganhos acabam sendo uma conseqüência, e não a mera causa do sucesso).
A popularização dos blogs também faz parte do movimento da Web 2.0. Os antigos sites pessoais não tinham nem metade da interação proporcionada pelo blog. Até mesmo o sistema de postagem na forma de um diário, com os arquivos dispostos em ordem cronológica ascendente, contribui para sua peculiaridade. Os permalinks, baseados na tecnologia RSS, permitem um maior deslocamento entre os posts e a possibilidade de que eles não se percam no tempo.
A Web 2.0 é um serviço, e não um produto. Basicamente, para identificar uma empresa de Web 2.0, basta que ela forneça um serviço (e não um pacote de software), possua um banco de dados exclusivo que aumente à medida que as pessoas se utilizem dele, mantenha os usuários como aliados (co-developers), adote princípios de inteligência coletiva (levada ao extremo no projeto da Wikipedia, no qual, em tese, qualquer pessoa pode alterar o conteúdo de uma página da enciclopédia aberta online), e se interesse em atingir o público em geral, não se limitando apenas aos gigantes da internet (tipo como o que o Google AdSense passou a fazer depois de um tempo, ao aceitar praticamente qualquer site da internet como um editor apto a exibir propagandas em/de seu site, não importando o tamanho e a influência do mesmo).
O conceito de internet como uma comunidade, como um banco de dados coletivo em constante atualização, não era possível alguns anos atrás, por conta das limitações dos servidores (basicamente, por questões de (falta de) espaço, mas também por conta das conexões lentas e do reduzido tempo dedicado por cada usuário à navegação online). Embora o movimento de Web 2.0 não se limite aos sites criados após determinada data, praticamente todos os mecanismos que se enquadram nas da Web 2.0 foram, de fato, criados após o ano 2000.
Mas a questão central da Web 2.0 é a importância da (quantidade de) informação, de modo a possibilitar a interação (e vice-versa). Nesse sentido, o site que tiver o maior banco de dados aliado à maior possibilidade de participação dos visitantes será o vencedor na guerra pela audiência online.
No fundo, o que parece estar acontecendo é não exatamente um desaparecimento dos sites da chamada Web 1.0, e sim um verdadeiro upgrade de qualidade (da versão 1.0 para a versão 2.0) à medida que as empresas da internet vêm percebendo o quanto a participação online é importante.




sexta-feira, 3 de março de 2006

  Futebol e campanha eleitoral no espaço

Não sei o que é pior: o governo gastar fortunas para simplesmente mandar um astronauta brasileiro para o espaço (o coitado vai para lá sem nenhum função específica relevante), ou o fato de jogadores de futebol da seleção brasileira aproveitarem a carona e gravarem um vídeo para ser transmitido no espaço. O legal é que nem sequer fazem questão de tentar esconder o fato de que essa missão é puramente eleitoreira... (está agendada até mesmo uma conexão espaço-Terra para uma conversa ao vivo do astronauta Marcos Pontes com o presidente Lula!).




  Fatos da vida

- Cada vez mais acho que vivo em uma espécie de universo paralelo, em um mundo próprio, em uma galáxia peculiar. No meu mundo não há telefones, não é preciso interagir com as outras pessoas, tudo o que se possa querer saber está nos livros, a diversão é mediada por computador, os dias têm bem mais que míseras 24 horas, as fotos não necessariamente precisam ter pessoas, as coisas acontecem por si sós (não é preciso fazê-las acontecer), só é preciso falar quando se é exigido, a alimentação é apenas uma (chata) necessidade humana (e não fonte de prazer desmedido), estudar é um verbo conjugado em 90% do dia, televisão não existe, rádio tem a mesma função de um CD (FM) ou disco de vinil (AM), a internet é discada, o computador é ultrapassado, cinema é a única possibilidade de se ter áudio e vídeo conjugados em um mesmo meio, a tarde é o melhor período do dia, e há compatibilidade entre dormir tarde e acordar cedo (embora seja ruim, não é nada que uma xícara de café não resolva).


- Decidi ler (ao menos) um livro da bibliografia básica de cada matéria do curso de Jornalismo até o começo das aulas do Direito. Já cumpri a tarefa com relação a duas matérias (Televisão, e Comunicação e Multimídia), e restam-me ainda/apenas dez dias (e cinco matérias) para concluí-la. Será que dá tempo? :P


- Esses dias (terça-feira de Carnaval) na praia do Cassino fiquei refletindo sobre a situação dos veranistas e cheguei à seguinte conclusão: todo mundo que vai para a praia no período de sol forte (das 9h às 16h) sofre de um mal que resolvi chamar de "complexo de nugget": sal, areia, vento, umidade, sol... Com essa combinação de elementos, só não sai empanado da areia quem não tem carne para assar :P


- É incrível como a gente se sente mal não pelas coisas que disse, mas pelas que poderia ter dito, mas não disse. É terrível perder oportunidades (que talvez/provavelmente não voltem mais) simplesmente por medo, ou até mesmo por não ter 'atinado' na hora que aquilo poderia ter sido dito. Então, a dica é falar tudo o que se queira agora — depois pode ser tarde demais para voltar atrás. Pode ser que o tempo até passe cada vez mais rápido -- mas nenhuma tecnologia, nenhuma sociedade, nenhuma invenção, será capaz de fazê-lo voltar.




quinta-feira, 2 de março de 2006

  Publicidade grátis

Os autores do livro "The Holy Blood and the Holy Grail", Michael Baigent e Richard Leigh (e mais outro autor que preferiu não participar do caso), resolveram mover uma ação judicial contra o autor Dan Brown, acusando-o de plágio. Aliás, muito providencial essa história de moverem um processo contra o livro do Dan Brown às vesperas da estréia de "O Código da Vinci" nos cinemas, não acham?
Já é a segunda vez que o autor é acusado de plágio (a outra vez havia sido em agosto do ano passado, quando o autor Lewis Perdue alegou que "O Código da Vinci" continha elementos de duas de suas obras, "Daughter of God" e "The Da Vinci Legacy").
Copiado ou não, os números atestam que "O Código da Vinci" é um verdadeiro fenômeno de vendas, com mais de 36 milhões de cópias vendidas.




quarta-feira, 1 de março de 2006

  A progressão de regime em crimes hediondos

Em votação extremamente dividida (o resultado final foi de 6 votos a 5) o STF votou a inconstitucionalidade da proibição à progressão de regime aos praticantes de crimes hediondos ou equiparáveis (tortura, tráfico ilícito de entorpecentes e terrorismo).

"Ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) deferiram nesta quinta-feira, por seis votos a cinco, habeas corpus que considerou inconstitucional o parágrafo da Lei dos Crimes Hediondos que proíbe os condenados de obter progressão de regime durante o cumprimento de suas penas" (Folha Online)


Trata-se do parágrafo 1° do artigo 2° da lei 8.072 de 25 de julho de 1990 — a Lei dos Crimes Hediondos. Os ministros que votaram a favor da inconstitucionalidade alegam que a regra impedia a individuação da pena (assegurada pelo inciso XLVI do artigo 5° da Constituição Federal) e a conseqüente ressocialização/reintegração do indivíduo à sociedade.
Os crimes hediondos são crimes comuns, tipificados pelo Código Penal (como o homicídio qualificado, a extorsão mediante seqüestro, e a falsificação de medicamentos) ou por legislação extravagante (como o genocídio), mas que foram elevados (rebaixados? :P) a uma categoria diferencial de delitos com o objetivo de desestimular os criminosos a cometê-los. Mesmo com a decretação da inconstitucionalidade da progressão de regime (§1° do art. 2° da Lei 8.072/90), os crimes hediondos permanecem inafiançáveis e insuscetíveis de graça ou anistia (incisos I e II do mesmo artigo).
A Lei dos Crimes Hediondos é um verdadeiro exemplo de como a mídia influencia o Judiciário brasileiro. Sua criação/aprovação se deu durante uma onda de extorsão mediante seqüestro (quando o criminoso não só toma um indivíduo como refém como também exige pagamento de resgate) de empresários no Brasil no final da década de 80. Seqüestros, como o do empresário Abílio Diniz em dezembro de 1989, foram largamente anunciados pela mídia e fizeram com que a sociedade clamasse por maior segurança. A solução encontrada (aliás, solução mágica para a maior parte das mazelas do país) foi a de criar uma lei que desse tratamento diferenciado a este e outros crimes igualmente bárbaros. Assim, com uma ampla cobertura da mídia, foi fácil conseguir a aprovação, (nossos legisladores são oportunistas...) e assim surgiu a lei 8.072 de 25 de julho de 1990.
(Chamar certos crimes bárbaros de 'hediondos' com certeza os transforma, ou ao menos os faz parecer, algo bem mais pesado. Afinal, faz parte da mística do direito inventar palavras difíceis para ludibriar, encantar e fascinar as pessoas comuns :P A força da palavra é tanta que basta dizer que alguém foi condenado por crime hediondo para que se obtenha um efeito tranqüilizante no cidadão comum. É como se declarar um crime como hediondo fosse suficiente para salvar o mundo dos criminosos.)
De lá para cá, a lei sofreu inúmeros acréscimos, sendo o mais emblemático a adição do crime de homicídio qualificado ao rol de crimes hediondos por ocasião do assassinato da atriz global Daniella Perez, em 28 de dezembro de 1992, pelo também ator Guilherme de Pádua. Ambos interpretavam o par romântico Iasmin e Bira na novela De Corpo e Alma (além de viverem um tórrido romance também por trás das telas). Por se tratar de um crime praticado e sofrido por pessoas públicas — o que causou enorme comoção pública —, e pela feliz coincidência de a diretora da novela ser também a mãe da vítima, a pressão exercida pela mídia foi tanta que o legislativo não viu outra saída senão elevar o crime de homicídio à categoria de hediondo.
Outro caso bastante noticiado (inicialmente um furo de reportagem dos jornais da TV Globo) e que foi incluso na lei por conta das pressões da mídia é a questão das quadrilhas de falsificação de remédios, deflagradas em 1998. A adição é um tanto controversa, pois, por uma interpretação tosca da lei, é possível chegar à absurda conclusão de que falsificar um batom é um crime hediondo.
Com todo esse apelo às reivindicações das massas, era de se esperar que na realidade a Lei dos Crimes Hediondos não fosse se apresentar totalmente de acordo com a realidade penal da justiça brasileira. Mas o fim da progressão de regimes não significa que simplesmente todo preso poderá ir do regime fechado para o semi-aberto apenas tendo cumprido 1/6 de sua pena. Na prática, pouca coisa muda. Para se ter uma idéia da real controvérsia, duas das dez câmaras criminais do Tribunal de Justiça do estado já vinham possibilitando aos condenados por crime hediondo a progressão de regime. E, como acontecia antes (e como acontece aos que cometem qualquer tipo de crime que inicie em regime fechado), ainda fica ao critério do juiz conceder ou não a progressão de regime (com base no bom comportamento, e outros fatores concernentes à vida do preso).
Assim, a decisão do STF pode servir para desafogar o sistema, melhorar a realidade carcerária, e facilitar a ressocialização dos presos (se é que alguém acredita que uma prisão seja capaz de socializar alguém!?). Até porque era completamente ilógico um preso poder saltar do regime fechado direto para a liberdade condicional, sem escalas. Ao menos a progressão de regimes garante que o condenado vá se reintegrando aos poucos à sociedade, e, como exige bom comportamento, assegura que o preso melhore (ou ao menos finja melhorar) sua atitude.

Marcadores: ,


flickr
   

 feed

receba as atualizações do blog por e-mail



categorias academicismos
amenidades
blogs
direito
filmes
google
internet
livros
memes
mídia
orkut
politiquês
querido diário
stumbles
tecnologia


sobre
about me
del.icio.us
flickr
last.fm
orkut
43metas
nano novel
textos
flog
stumbleupon
Gilmore Girls





blogroll
animaizinhos toscos
argamassa
ariadne celinne
atmosfera
bereteando
blog de lynz
blog del ciervo ermitaño
direito de espernear
direito e chips
dossiê alex primo
efervescendo
enfim
every flower is perfect
garotas zipadas
giseleh.com
grande abóbora
hedonismos
il est communiqué
jornalismo de resistência
jornalismo na web 2.0
lavinciesca
marmota
novos ares
pensamentos insanos
rafael gimenes.net
reversus
sententia
universo anárquico
vidacurta.net
vejo tudo e não morro
w1zard.com


arquivo
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007


etc.










Save the Net

Stumble Upon Toolbar

Creative Commons License

Official NaNoWriMo 2006 Winner