sexta-feira, 3 de março de 2006

  Fatos da vida

- Cada vez mais acho que vivo em uma espécie de universo paralelo, em um mundo próprio, em uma galáxia peculiar. No meu mundo não há telefones, não é preciso interagir com as outras pessoas, tudo o que se possa querer saber está nos livros, a diversão é mediada por computador, os dias têm bem mais que míseras 24 horas, as fotos não necessariamente precisam ter pessoas, as coisas acontecem por si sós (não é preciso fazê-las acontecer), só é preciso falar quando se é exigido, a alimentação é apenas uma (chata) necessidade humana (e não fonte de prazer desmedido), estudar é um verbo conjugado em 90% do dia, televisão não existe, rádio tem a mesma função de um CD (FM) ou disco de vinil (AM), a internet é discada, o computador é ultrapassado, cinema é a única possibilidade de se ter áudio e vídeo conjugados em um mesmo meio, a tarde é o melhor período do dia, e há compatibilidade entre dormir tarde e acordar cedo (embora seja ruim, não é nada que uma xícara de café não resolva).


- Decidi ler (ao menos) um livro da bibliografia básica de cada matéria do curso de Jornalismo até o começo das aulas do Direito. Já cumpri a tarefa com relação a duas matérias (Televisão, e Comunicação e Multimídia), e restam-me ainda/apenas dez dias (e cinco matérias) para concluí-la. Será que dá tempo? :P


- Esses dias (terça-feira de Carnaval) na praia do Cassino fiquei refletindo sobre a situação dos veranistas e cheguei à seguinte conclusão: todo mundo que vai para a praia no período de sol forte (das 9h às 16h) sofre de um mal que resolvi chamar de "complexo de nugget": sal, areia, vento, umidade, sol... Com essa combinação de elementos, só não sai empanado da areia quem não tem carne para assar :P


- É incrível como a gente se sente mal não pelas coisas que disse, mas pelas que poderia ter dito, mas não disse. É terrível perder oportunidades (que talvez/provavelmente não voltem mais) simplesmente por medo, ou até mesmo por não ter 'atinado' na hora que aquilo poderia ter sido dito. Então, a dica é falar tudo o que se queira agora — depois pode ser tarde demais para voltar atrás. Pode ser que o tempo até passe cada vez mais rápido -- mas nenhuma tecnologia, nenhuma sociedade, nenhuma invenção, será capaz de fazê-lo voltar.


flickr
   

 feed

receba as atualizações do blog por e-mail



categorias academicismos
amenidades
blogs
direito
filmes
google
internet
livros
memes
mídia
orkut
politiquês
querido diário
stumbles
tecnologia


sobre
about me
del.icio.us
flickr
last.fm
orkut
43metas
nano novel
textos
flog
stumbleupon
Gilmore Girls





blogroll
animaizinhos toscos
argamassa
ariadne celinne
atmosfera
bereteando
blog de lynz
blog del ciervo ermitaño
direito de espernear
direito e chips
dossiê alex primo
efervescendo
enfim
every flower is perfect
garotas zipadas
giseleh.com
grande abóbora
hedonismos
il est communiqué
jornalismo de resistência
jornalismo na web 2.0
lavinciesca
marmota
novos ares
pensamentos insanos
rafael gimenes.net
reversus
sententia
universo anárquico
vidacurta.net
vejo tudo e não morro
w1zard.com


arquivo
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007


etc.










Save the Net

Stumble Upon Toolbar

Creative Commons License

Official NaNoWriMo 2006 Winner