sábado, 25 de março de 2006

  Quem tem medo de levantar a mão?

Imaginem a cena: sexta-feira à noite, último período. Minha última aula da semana. Eu estava em um estado de semi-consciência seletiva (aquele em que a gente tem uma vaga noção do que está acontecendo no mundo a nossa volta, enquanto viaja profundamente em pensamentos insanos) quando a professora, do nada, perguntou se havia alguém na sala que não assistisse televisão. Minha reação quase instintiva foi a de erguer a mão. Eu estava sentada na primeira fileira habitada (terceira fila), numa sala com mais de cinqüenta pessoas. Sim, era a única mão levantada. Olhei para trás, e notei cinqüenta pares de olhos me olhando com incredulidade, noventa por cento pertencente a desconhecidos (aliás, de onde tiram tanto aluno estranho a cada semestre? será que a universidade contrata figurantes para nos confundir e colocar em situações embaraçosas?). Silêncio geral (o legal é que alguns segundos antes estavam todos conversando... hipócritas :P). Era como se eu fosse uma bizarra peça de exposição em um museu, um objeto que talvez não devesse estar ali. Um ET, um alienígena. Freak. Eu já estava me sentindo a última pessoa sobre a face da Terra, de um tamanho inferior ao de uma mitocôndria (sim, porque de uma formiguinha eu já tinha passado há muito tempo), quando uma criatura sentada ao fundo da sala ainda fez questão de me fazer ressaltar que não vejo televisão porque eu não quero (e não porque não tenho, ou porque me falte tempo, sei lá, justificativas bem mais... plausíveis)... Tentei remendar, dizendo que quando eu tinha TV a cabo eu assistia seriados.... mas a coisa só piorou. Tudo o que eu queria naquele momento era fugir para a fila 9 e ½ e nunca mais sair de lá. Era como se eu estivesse sendo processada em um tribunal (sem direito a ampla defesa, sem direito ao contraditório!), e qualquer coisa que eu dissesse poderia ser usada contra mim. A partir de então, resolvi que o melhor era mudar para o estado de alerta, prestar atenção no restante da aula, e não mais me manifestar pelos próximos 1782177261 anos.
Mais tarde cheguei em casa, procurando conforto, e relatei o caso para minha mãe. Ela me chamou de maluca porque eu não vejo televisão.
Okay. Eu sou anormal. Acho que vou precisar aprender a conviver com isso. (Mas, peraí... por que não dizer que são os outros os anormais? :P Viva a relatividade! \o/).


flickr
   

 feed

receba as atualizações do blog por e-mail



categorias academicismos
amenidades
blogs
direito
filmes
google
internet
livros
memes
mídia
orkut
politiquês
querido diário
stumbles
tecnologia


sobre
about me
del.icio.us
flickr
last.fm
orkut
43metas
nano novel
textos
flog
stumbleupon
Gilmore Girls





blogroll
animaizinhos toscos
argamassa
ariadne celinne
atmosfera
bereteando
blog de lynz
blog del ciervo ermitaño
direito de espernear
direito e chips
dossiê alex primo
efervescendo
enfim
every flower is perfect
garotas zipadas
giseleh.com
grande abóbora
hedonismos
il est communiqué
jornalismo de resistência
jornalismo na web 2.0
lavinciesca
marmota
novos ares
pensamentos insanos
rafael gimenes.net
reversus
sententia
universo anárquico
vidacurta.net
vejo tudo e não morro
w1zard.com


arquivo
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007


etc.










Save the Net

Stumble Upon Toolbar

Creative Commons License

Official NaNoWriMo 2006 Winner