domingo, 17 de dezembro de 2006

  Lembranças

Reminiscências do passado. Recordações que insistem em não serem esquecidas. Memórias que não querem ser apagadas. Toda volta para casa é recheada de lembranças e nostalgia.

A cidade - Continua tudo igual. As ruas com seus constantes paralelepípedos irregulares, as calçadas largas e convidativas a um passeio, as casas predominantemente baixas, a grama eternamente por fazer... A rua onde moro está do mesmo jeito de sempre, talvez com os canteiros melhor cuidados. A casa ao lado segue em sua eterna demolição (parece que agora ela é só fachada).

A residência - Tudo é igual, mas ao mesmo tempo tudo é tão hostil. Difícil sentir a casa onde morava novamente como um lar. Os móveis são os mesmos, mas os objetos sobre eles são diferentes. Um relógio de metal levemente adiantado marca a passagem do tempo na biblioteca. O que faz o novo junto ao velho? O que faz o eterno devir junto ao imutável passado? O tempo passa, os livros envelhecem, mas as histórias permanecem as mesmas – constantes, trágicas, eternas.
A piscina parece menor (e de fato o é: colocaram uma piscina dentro da outra e preencheram o espaço vazio com areia para aumentar o tamanho do pátio).

O quarto - Tudo é tão hostil, mas ao mesmo tempo tudo é tão familiar. Meu quarto parecia imenso na infância. Hoje creio que ele tenha proporções normais, talvez seja até um pouco pequeno. Os puxadores da cômoda, outrora dourados, perderam o brilho – se é que algum dia o tiveram. Há um ferro de passar sobre a mesa. Sinal de que o quarto recebeu uma nova utilidade? Olho para os CDs da estante e não me imagino escutando aquelas músicas. Eles pertenceram a mim em algum outro tempo? E por que esses títulos, essas músicas, essas fotos nas embalagens, não me evocam nada?
A cortina segue destoando do todo, de um jeito que parece que ela foi colocada ali, caso fosse capaz de decidir, mesmo contra sua vontade. O abajur já não funciona mais. As paredes estão cada vez menos azuis. Já nem lembro mais por que eu não gostava das almofadas, exceto pelo tom pálido do amarelo e do azul. Mas também não sei se isso é fruto da ação do tempo, ou se elas foram sempre assim, tão desbotadas.
O guarda-roupa está tomado de roupas alheias. Consegui desocupar duas gavetas. Espero que seja o suficiente para que eu me sinta novamente em casa.
Acredito que meus papéis antigos ainda permaneçam no baú. Mas não ouso abri-lo. Talvez daqui alguns dias. Tenho medo das lembranças e dos fantasmas que poderei encontrar ali dentro.
Aquele baú é para mim uma espécie de máquina do tempo. Mas uma máquina que funciona apenas para mim. Qualquer um pode ler as mensagens de caligrafia apressada das páginas ali guardadas. Mas só comigo elas serão capazes de invocar lembranças completas, de um tempo em que, embora não percebesse, eu devia ser feliz.

Marcadores:




Comentários:

Blogger Gilberto disse:
Gabi,

Tá ficando velha menininha :P

Bjos
 
Anonymous Carol Souza disse:
ai, fiquei triste depois de ler teu post.
 
Anonymous Alessa disse:
Que post triste e nostálgico... tu até parece o textinho torto e desengonçado... :(
 


Participe desta conversação :)



<< Voltar para o blog
flickr
   

 feed

receba as atualizações do blog por e-mail



categorias academicismos
amenidades
blogs
direito
filmes
google
internet
livros
memes
mídia
orkut
politiquês
querido diário
stumbles
tecnologia


sobre
about me
del.icio.us
flickr
last.fm
orkut
43metas
nano novel
textos
flog
stumbleupon
Gilmore Girls





blogroll
animaizinhos toscos
argamassa
ariadne celinne
atmosfera
bereteando
blog de lynz
blog del ciervo ermitaño
direito de espernear
direito e chips
dossiê alex primo
efervescendo
enfim
every flower is perfect
garotas zipadas
giseleh.com
grande abóbora
hedonismos
il est communiqué
jornalismo de resistência
jornalismo na web 2.0
lavinciesca
marmota
novos ares
pensamentos insanos
rafael gimenes.net
reversus
sententia
universo anárquico
vidacurta.net
vejo tudo e não morro
w1zard.com


arquivo
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007


etc.










Save the Net

Stumble Upon Toolbar

Creative Commons License

Official NaNoWriMo 2006 Winner