domingo, 20 de novembro de 2005

  Sobre a mídia

O livro "Sobre a Televisão", do sociólogo francês Pierre Bourdieu, é de fato uma crítica ao campo jornalístico em geral, cada vez mais submetido às leis da concorrência e às exigências do mercado. A competição entre os canais de televisão, ao invés de promover a diversificação de ofertas, tem levado a uma verdadeira homogeneização do que é transmitido, porque os outros canais tendem a copiar fórmulas de sucesso, em busca de audiência e maior número de anunciantes (que, na maior parte das vezes, são os mesmos a financiar os mais diversos canais).
Na obra, o autor desenvolve conceitos bem interessantes, como fatos-ônibus ("são fatos que, como se diz, não devem chocar ninguém, que não envolvem disputa, que não dividem, que formam consenso, que interessam a todo mundo, mas de um modo tal que não tocam em nada de importante." Os assuntos-ônibus seriam as notícias de variedade de um jornal, que preenchem o tempo útil com o vazio -- é impossível causar polêmica tratando de assuntos como a previsão do tempo!), a chamada "mentalidade-índice-de-audiência" (que induz à produção voltada para o consumo), e as ilusões do "sempre assim" e "nunca visto". Talvez o livro não devesse se chamar sobre a televisão (a despeito do fato de tratar-se da transcrição de algo que passou na televisão e falar sobre ela -- o que aliás já se constitui numa bela quebra de sintagma!) mas a crítica é tão descaradamente destinada à pessoa do jornalista que é como se o culpado de tudo fosse sempre aquele que produz, (des)considerando as influências do meio em que se veicula a mensagem. Na verdade, o autor ressalta que os jornalistas são tão manipulados como manipuladores. O próprio veículo de informação pode impor limites ao agir individual do jornalista, mas mesmo assim, é ele próprio quem seleciona e constrói o que vai ser mostrado pela mídia. Ou seja, o profissional da mídia coloca uma espécie de "óculos" sobre a realidade, e impõe aos outros sua visão de mundo, exercendo uma espécie de censura prévia ao que vai ser veiculado pela televisão. E são essas "censuras" que fazem da televisão "um formidável instrumento de manutenção da ordem simbólica". O resultado disso tudo é uma verdadeira despolitização do mundo.
E o pior é que parece que o autor tem razão! Ele faz alusão a uma espécie de círculo vicioso que reina no universo jornalístico, do qual não se consegue nunca escapar, e acaba sustentando as idéias dominantes. Um exemplo é o que acontece com a busca ensandecida dos noticiários pela urgência e pelo furo. Para o espectador, é irrelevante saber que uma determinada informação está sendo veiculada pela primeira vez por determinado veículo -- porque, salvo raras exceções, ele só assiste ao jornal de um único canal mesmo. Na verdade, são os próprios jornalistas que vivem a se observar e se auto-exigir tal incumbência (pois quem mais além de um jornalista iria querer ver todos os noticiários de todos os canais, para compará-los e perceber que o seu jornal deveria falar também sobre aquilo que o outro falou?? :P)..
O autor também destaca o fato de a mídia (e em particular a televisão, por ser de fácil acesso) influir na elaboração de leis (no Brasil há exemplos contundentes, como o caso de uma onda de seqüestros que houve no país ao final da década de 80, bastante noticiados pela mídia, e que levou à edição da lei de crimes hediondos, tendo como carro-chefe a inclusão nessa categoria do crime de seqüestro mediante extorsão... outro exemplo, envolvendo praticamente a mesma situação, é o caso Daniela Perez, que levou à ascensão do crime de homicídio qualificado à categoria de hediondo, dadas as inúmeras pressões da televisão, visto que se tratava de um crime contra uma atriz de novela -- o que causou enorme comoção pública -- praticado por um ator -- o que estimulou a necessidade de que o rapaz não ficasse impune -- e deu a calhar de a diretora da novela também ser mãe da vítima -- ou seja, a pressão era tamanha que o legislativo não viu outra saída senão sucumbir ao poder da mídia). Bourdieu fala mal até dos operadores do direito (pois sustentam a hipocrisia coletiva ao se submeterem ao poder da mídia a influenciar suas decisões!).
Assim, o jornalismo na televisão, ao menos das grandes emissoras que precisam fazer de tudo para manter a audiência, está sempre submetido a pressões (externas - concorrência, leis de mercado; ou internas - urgência, medo de entediar e perder o telespectador). O jornal escrito deveria estar livre disso, mas no entanto cada vez mais tem se preocupado em mostrar de forma impressa aquilo que a TV o faz de forma mais atraente: e é assim que crescem o número de imagens, tabelas, quadros, e notícias que não dizem nada e apenas ocupam espaço.
"Em um universo dominado pelo temor de ser entediante e pela preocupação de divertir a qualquer preço", parece que tudo o que a mídia faz é elaborar maneiras de escapar do tédio. E uma das maneiras de fazer isso é mostrar uma "seqüência de acontecimentos que, surgidos sem explicação desaparecerão sem solução". A televisão mostra tudo de forma dinâmica, aparentemente desconexa e de modo fragmentário, e seus telespectadores falham em perceber que no fundo todos os acontecimentos têm alguma coisa a ver com os demais.

As críticas do livro são um pouco exageradas. Mas mesmo assim são válidas como uma maneira de se repensar o papel da mídia na sociedade contemporânea, já que ela tem produzido efeitos sobre todas as demais esferas culturais... :)

Marcadores: ,


flickr
   

 feed

receba as atualizações do blog por e-mail



categorias academicismos
amenidades
blogs
direito
filmes
google
internet
livros
memes
mídia
orkut
politiquês
querido diário
stumbles
tecnologia


sobre
about me
del.icio.us
flickr
last.fm
orkut
43metas
nano novel
textos
flog
stumbleupon
Gilmore Girls





blogroll
animaizinhos toscos
argamassa
ariadne celinne
atmosfera
bereteando
blog de lynz
blog del ciervo ermitaño
direito de espernear
direito e chips
dossiê alex primo
efervescendo
enfim
every flower is perfect
garotas zipadas
giseleh.com
grande abóbora
hedonismos
il est communiqué
jornalismo de resistência
jornalismo na web 2.0
lavinciesca
marmota
novos ares
pensamentos insanos
rafael gimenes.net
reversus
sententia
universo anárquico
vidacurta.net
vejo tudo e não morro
w1zard.com


arquivo
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007


etc.










Save the Net

Stumble Upon Toolbar

Creative Commons License

Official NaNoWriMo 2006 Winner