sexta-feira, 24 de agosto de 2007

  O tempo, sempre o tempo

O tempo não é divisível como o espaço. Isso deveria soar óbvio, banal, totalmente compreensível. Deveria. Mas talvez essa seja mais uma daquelas coisas que a gente precisa batalhar para se convencer de que é assim. Algo que, na prática, nem sempre coincide com a teoria. (Algo parecido acontece com a nossa idade. Decoramos um número aleatório, que precisamos manter em mente por 365 dias, quando, na verdade, mudamos de idade a cada dia).

Tentamos o tempo todo fragmentar e compartimentar o tempo em unidades autônomas. Buscamos adaptar nossas atividades ao (espaço de) tempo disponível. Deveria ser o contrário: o tempo a determinar nossa rotina. Com tudo isso, não percebemos que o tempo é, de fato, algo único, contínuo, experienciável, não-tangível (o agora já passou antes mesmo do instante de pronunciá-lo), não divisível, enfim, simplesmente ‘vivível’.

O tempo não é um conjunto de espaços a preencher. O tempo é um caminho que leva a lugar nenhum. A gente segue, caminha, vai para frente. Mas nunca chega, nunca termina. O tempo é, apenas isso. Ele é, sem complementos. Ele é, sozinho.

Não é como uma torta que se divide em fatias. O tempo é fatal e imprevisível. Assim como uma sexta-feira à noite, como um temporal, como uma foto espontânea, como a reação de um gato arisco. Não há como fixar com precisão nem sequer um único instante. Até mesmo uma foto reflete necessariamente uma única faceta da vida (um tempo, um espaço, um ângulo, uma perspectiva). Nem mesmo a divisão do espaço consegue ser inteiramente absoluta, pois há áreas que pertencem a todos, por absurda ficção jurídica.

Apesar de tudo, o tempo passa. O tempo avança, determinado, irrepetível (embora cíclico, embora sensível). O amanhã parece se situar em outro tempo, em outro espírito, mesmo que na prática tudo faça parte de um mesmo continuum.

A divisão excessiva do tempo em espaços leva a experiências efêmeras. Não sobra tempo para reflexão. As atitudes são impensadas e as respostas, irrefletidas. Toma-se conhecimento dos fatos, mas não se absorve nada a partir disso. Na correria, mal sobra tempo para se suspender um suspiro...

Marcadores:




Comentários:

Anonymous tina oiticica harris disse:
Perdi o cometário. O tempo é contínuo porém necessitamos de picotá-lo para nossa referêcia. É isso? Às vezes ele é medido em segundos e em outras em séculos ou milênios.
 
Anonymous vejo tudo e não morro disse:
"Quem anda me comendo
é o tempo
e a força, e por trás.
Um dia cansei e disse:
tempo, se tens que me comer,
que seja com meu consentimento
me olhando nos olhos.
Desde então o tempo anda
me dando um tempo.
Acho até que estou rejuvenescendo."

já dizia o poeta
 
Blogger Lynz disse:
Siempre intentamos encajar nuestras actividades al espacio de tiempo disponible; sin embargo, no nos damos cuenta que son las actividades las que determinan el espacio de tiempo que finalmente les dedicamos.

El tiempo es un continuo. Parece que "el mañana" se encuentra en otra dimensión, en otro mundo. Pero en realidad, el mañana sigue siendo parte del mismo tiempo que ya existe en el presente. El mañana siempre llega. Dejemos de pensar en el mañana como una dimensión diferente y en vez de ello consideremos el mañana como parte del tiempo presente.

Estas son algunas de las ideas que he extraído de tu texto :D.

Me encantan estas reflexiones que haces de vez en cuando sobre el tiempo. Me hacen pensar mucho y siempre son muy interesantes ^^
 
Blogger Gilberto Balbela Consoni disse:
3 dias sem postagem. Ai Ai Ai, essa capacidade improdutiva tem que passar logo, pois preciso me manter informado sobre o mundo virtual :p

Dica de postagem: tema das pesquisas que irás apresentar no Intercom em Santos, assim já terei meu link também :p
 
Anonymous Anônimo disse:
May I say I love your post about Time? All that you say is true and nicely written too.

Jean-Luc R.
 


Participe desta conversação :)



<< Voltar para o blog
flickr
   

 feed

receba as atualizações do blog por e-mail



categorias academicismos
amenidades
blogs
direito
filmes
google
internet
livros
memes
mídia
orkut
politiquês
querido diário
stumbles
tecnologia


sobre
about me
del.icio.us
flickr
last.fm
orkut
43metas
nano novel
textos
flog
stumbleupon
Gilmore Girls





blogroll
animaizinhos toscos
argamassa
ariadne celinne
atmosfera
bereteando
blog de lynz
blog del ciervo ermitaño
direito de espernear
direito e chips
dossiê alex primo
efervescendo
enfim
every flower is perfect
garotas zipadas
giseleh.com
grande abóbora
hedonismos
il est communiqué
jornalismo de resistência
jornalismo na web 2.0
lavinciesca
marmota
novos ares
pensamentos insanos
rafael gimenes.net
reversus
sententia
universo anárquico
vidacurta.net
vejo tudo e não morro
w1zard.com


arquivo
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007


etc.










Save the Net

Stumble Upon Toolbar

Creative Commons License

Official NaNoWriMo 2006 Winner