quarta-feira, 27 de setembro de 2006

  Não-lugares

Quando a gente estava voltando de Brasília no início do mês, nosso vôo teve uma conexão um tanto absurda em São Paulo. Descemos do avião, fomos levados de ônibus até uma porta a alguns metros de distância, e então fomos colocados em uma fila quilométrica diante de um pequenino balcão: aparentemente, todos ali faziam conexões pela mesma operadora, mas cada um perseguia um destino diferente. Enquanto esperávamos, começamos a falar sobre os professores da faculdade, e uma das pessoas que estava na fila comentou com nós que já tinha ouvido falar de um deles. Conversa vai, conversa vem, reclamamos da fila, do fato de que todos os aeroportos pareciam ser sempre iguais, e ela nos apresentou à noção de ‘não-lugares’. Estávamos em um aeroporto, numa fila, mas pouco importava a localização física daquele aeroporto: importava que estávamos num aeroporto, e, segundo as tendências de um mundo globalizado, os aeroportos das diferentes partes do mundo costumam ser cada vez mais iguais. Aquela situação, aquele aeroporto era um não-lugar. A moça chegou a nos falar o nome do autor e do livro que explicavam melhor a noção de não-lugar, mas antes que pudéssemos anotar ou algo do tipo, chegou nossa vez na fila, e cada um de nós tomou um rumo diferente, em aviões diferentes, para diferentes lugares (se bem que o avião em si é um não-lugar).
Passadas duas semanas, recordei essa história, e resolvi ir atrás do livro. Achei que bastaria digitar na Internet e o encontraria. Encontrei. Quer dizer, fiquei em dúvida. Há o livro “Não-lugares”, de Marc Augé (uma referência óbvia, portanto), mas também encontrei textos que atribuíam ao sociólogo francês Michel Maffesoli (a propósito, estou lendo “O tempo das tribos” desse autor, bem interessante) a criação do termo não-lugar. Alguém saberia me dizer se os não-lugares são antes apresentados em alguma obra de Maffesoli? Ou devo me basear apenas no Augé para entender o que é um não-lugar? :P

Marcadores:




Comentários:

Blogger Sagá disse:
Pra essa eu não tenho uma indicação..rs Mas vale acrescentar que pelo que parece, quando um lugar se torna um não-lugar, é como se perdesse as características peculiares à ele que os diferenciava anteriormente. Pode ser à respeito até da ambientação ao estética... quem sabe até mesmo da sua unicidade...

Bem interessante!
 
Blogger Gabriela Zago disse:
Também tem aquela questão do público X privado. Espaços públicos tendem a ser bem inóspitos às vezes... :P
 
Anonymous rafael gimeens disse:
acho q a gol inventou isso!
mas interessante.
 


Participe desta conversação :)



<< Voltar para o blog
flickr
   

 feed

receba as atualizações do blog por e-mail



categorias academicismos
amenidades
blogs
direito
filmes
google
internet
livros
memes
mídia
orkut
politiquês
querido diário
stumbles
tecnologia


sobre
about me
del.icio.us
flickr
last.fm
orkut
43metas
nano novel
textos
flog
stumbleupon
Gilmore Girls





blogroll
animaizinhos toscos
argamassa
ariadne celinne
atmosfera
bereteando
blog de lynz
blog del ciervo ermitaño
direito de espernear
direito e chips
dossiê alex primo
efervescendo
enfim
every flower is perfect
garotas zipadas
giseleh.com
grande abóbora
hedonismos
il est communiqué
jornalismo de resistência
jornalismo na web 2.0
lavinciesca
marmota
novos ares
pensamentos insanos
rafael gimenes.net
reversus
sententia
universo anárquico
vidacurta.net
vejo tudo e não morro
w1zard.com


arquivo
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007


etc.










Save the Net

Stumble Upon Toolbar

Creative Commons License

Official NaNoWriMo 2006 Winner