sábado, 10 de dezembro de 2005

  O homem que confundiu sua mulher com um chapéu

O homem que confundiu sua mulher com um chapéu Em "O homem que confundiu sua mulher com um chapéu", o neurologista anglo-americano Oliver Sacks transforma relatos clínicos de seus pacientes em verdadeiros ensaios literários. Com sua narrativa, o médico-autor consegue ir muito além do mero registro científico de distúrbios cerebrais, o que transforma sua obra num verdadeiro tratado sobre a convivência humana. Os personagens ali retratados são representados como figuras verdadeiramente humanas, que, apesar de seus problemas neurológicos, ainda encontram uma maneira de viver (nem que seja uma vida "humeana", aquela em que viver é acumular sensações).
É o caso dos irmãos gêmeos que desenvolveram um espetacular raciocínio numérico, e se divertiam pensando em números primos de várias dezenas. No entanto, com desenvolvimento mental retardado, eram incapazes de efetuar as mais simples operações matemáticas. Situação semelhante é a vivida pelo simpático dr. P, cujo caso serve de título à obra. Músico respeitadíssimo, ele era incapaz de reconhecer rostos humanos. Embora sua visão fosse normal, ele sofria de agnosia visual: o que lhe faltavam era a capacidade de associar o que via ao que aquilo significava. Ele não percebia os objetos pelo que são, mas por suas características. Ao invés de raciocinar por analogia, como fazem as pessoas "normais", seu cérebro operava por deduções. E, preso a um mundo abstrato de características aparentemente dissociadas a suas significações, ele confundia não só a cabeça de sua mulher com seu chapéu, como também o próprio pé com o sapato. Outros casos interessantes são o da mulher que perdeu a propriocepção (espécie de sexto sentido, aquele que é formado pela associação das sensações que nos permitem manter o equilíbrio); o do cara que perdeu sua memória até uma certa data, e para ele, desde então, literalmente, todo dia era um novo dia; o do rapaz que perdeu o olfato, e com o tempo passou a viver da memória que tinha dos cheiros; além de alguns casos de pessoas que sentem dores em membros amputados ("fantasmas").

Os relatos do livro introduzem personagens aparentemente fantásticos, mas que, por mais inusitado que possa parecer, são representantes da vida real, possuem problemas reais, que exigem soluções reais, e estão ali para nos fazer aprender um pouco mais sobre a necessária convivência humana. Cada ser humano é diferente do outro, e todos têm seu potencial a desenvolver. Ninguém é perfeito. Certas pessoas nunca poderão fazer certas coisas, mas não custa nada tentar melhorar... E é essa a mensagem que o livro tenta nos passar. Há casos difíceis, mas nada é tão impossível que não se possa encontrar uma saída.

Marcadores:


flickr
   

 feed

receba as atualizações do blog por e-mail



categorias academicismos
amenidades
blogs
direito
filmes
google
internet
livros
memes
mídia
orkut
politiquês
querido diário
stumbles
tecnologia


sobre
about me
del.icio.us
flickr
last.fm
orkut
43metas
nano novel
textos
flog
stumbleupon
Gilmore Girls





blogroll
animaizinhos toscos
argamassa
ariadne celinne
atmosfera
bereteando
blog de lynz
blog del ciervo ermitaño
direito de espernear
direito e chips
dossiê alex primo
efervescendo
enfim
every flower is perfect
garotas zipadas
giseleh.com
grande abóbora
hedonismos
il est communiqué
jornalismo de resistência
jornalismo na web 2.0
lavinciesca
marmota
novos ares
pensamentos insanos
rafael gimenes.net
reversus
sententia
universo anárquico
vidacurta.net
vejo tudo e não morro
w1zard.com


arquivo
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007


etc.










Save the Net

Stumble Upon Toolbar

Creative Commons License

Official NaNoWriMo 2006 Winner