terça-feira, 6 de dezembro de 2005

  3 motivos para ler Barthes

1. Comecei a leitura de "Aula", de Roland Barthes, anotando as frases que mais me chamavam a atenção...

"A língua implica uma relação fatal de alienação." (p. 13)

"Mas língua, como desempenho de toda linguagem, não é nem reacionária, nem progressista; ela é simplesmente: fascista; pois o fascismo não é impedir de dizer, é obrigar a dizer." (p. 14)

"Hoje creio realmente que, sob a pertinência que aqui se escolheu, língua e discurso são indivisos, pois eles deslizam segundo o mesmo eixo de poder." (p. 31)

(...mas em seguida interrompi as notas, antes que tivesse copiado o livro inteiro, só em frases :P)

O livro é uma transcrição da aula inaugural da cadeira de Semiologia Literária do Colégio de França, dada por Barthes em 7 de janeiro de 1977, e foi publicada logo em seguida com o singelo e des-pretensioso título de "Leçon". Trata-se de uma das obras mais polêmicas do autor, tamanha a crítica que ele faz da presença inarredável do Poder de qualquer discurso que se faça. O tom polido e educado que se espera de um professor em seu primeiro dia de aula é intercalado por uma fina ironia e uma crítica ferrenha ao Sistema. Para R.B., a importância da Literatura estaria no fato de que ela exerce uma espécie de "função utópica" (por se tratar de um discurso [[teoricamente] vindo de fora do poder).

"A ciência é grosseira, a vida é sutil, e é para corrigir essa distância que a literatura nos importa." (p. 19)



2. Outro livrinho (em tamanho) bastante interessante de Roland Barthes é "O Prazer do Texto". Nele, o autor discorre caoticamente acerca do relacionamento do leitor com a obra que lê, e das duas diferentes maneiras de se saborear uma leitura: o prazer e o gozo.

"Quem suporta sem nenhuma vergonha a contradição? Ora este contra-herói existe: é o leitor de texto, no momento em que se entrega a seu prazer." (p. 8)

"O prazer é dizível, a fruição [o gozo] não o é." (p. 31)

"O enfado não está longe da fruição: é a fruição vista das margens do prazer." (p. 36)

"E, perdido no meio do texto (não atrás dele ao modo de um deus de maquinaria) há sempre o outro, o autor." (p. 38)

O escritor é como "o morto do bridge: necessário ao sentido (ao combate), mas ele mesmo privado de sentido fixo." (p. 48)



3. Durante todo o tempo em que li "Roland Barthes por Roland Barthes" fiquei imaginando como seria se ele estivesse vivo e tivesse um blog... O livro é uma espécie de anti-autobiografia, difícil de descrever. É uma espécie de colagem de fragmentos escritos ao longo de alguns anos da vida do escritor, alguns falando de aspectos pessoais, outros falando de sua obra. Chega a ser bizarro vê-lo escrevendo sobre si mesmo ora em terceira, ora em primeira pessoa: como se assumindo aquilo que disse, logo depois de atribuir a si mesmo aquilo que está prestes a dizer.

"Mas eu nunca me pareci com isto!
— Como é que você sabe? Que é este "você" com o qual você se pareceria ou não? Onde tomá-lo? Segundo que padrão morfológico ou expressivo? Onde está seu corpo de verdade?"
(p. 42, ao lado de duas fotos, em duas épocas diferentes de sua vida)

Marcadores:


flickr
   

 feed

receba as atualizações do blog por e-mail



categorias academicismos
amenidades
blogs
direito
filmes
google
internet
livros
memes
mídia
orkut
politiquês
querido diário
stumbles
tecnologia


sobre
about me
del.icio.us
flickr
last.fm
orkut
43metas
nano novel
textos
flog
stumbleupon
Gilmore Girls





blogroll
animaizinhos toscos
argamassa
ariadne celinne
atmosfera
bereteando
blog de lynz
blog del ciervo ermitaño
direito de espernear
direito e chips
dossiê alex primo
efervescendo
enfim
every flower is perfect
garotas zipadas
giseleh.com
grande abóbora
hedonismos
il est communiqué
jornalismo de resistência
jornalismo na web 2.0
lavinciesca
marmota
novos ares
pensamentos insanos
rafael gimenes.net
reversus
sententia
universo anárquico
vidacurta.net
vejo tudo e não morro
w1zard.com


arquivo
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007


etc.










Save the Net

Stumble Upon Toolbar

Creative Commons License

Official NaNoWriMo 2006 Winner