terça-feira, 20 de setembro de 2005

  A arte de morar sozinha

Passei muito tempo da minha vida renegando o fato de que moro sozinha. Eu negava de tudo quanto é jeito possível, até mesmo alegando que não morava 100% sozinha, visto que minha mãe aparecia a cada 15 dias, nos fins de semana (como se isso fosse fazer alguma diferença!). Desde meados deste ano, comecei a mudar de opinião. Morar sozinha é divertido. Posso fazer o que eu quiser, do jeito que quiser, e na hora que quiser! Se eu quiser acumular louça de uma semana na pia, ninguém poderá me impedir (talvez um possível mal-cheiro possa me fazer deixar de pôr esse plano em prática, mas enfim...). Se eu quiser, sei lá, dormir o dia inteiro, ninguém aparecerá para me acordar (exceto o barulho dos vizinhos do andar de baixo...). Se eu não quiser varrer a casa, ninguém vai se importar (minha mãe reclama; mas, afinal, ela só aparece a cada 15 dias mesmo!). Enfim, posso exercer meu livre arbítrio em total plenitude. Não dependo de regras, não há horário para dormir, não há telefone tocando toda hora... Eu podia ter passado o feriado em Bagé (lá a louça se lava sozinha, o almoço fica pronto automaticamente ao meio dia...), mas teria perdido a oportunidade de viver mais um maravilhoso dia de solidão.
Um dos passos mais importantes que [acho que] dei em direção à consciência da solitude [!] foi quando passei a almoçar sozinha em restaurantes. Antes, a simples idéia de me imaginar sentada sozinha numa mesa redonda com quatro lugares já me causava arrepios. Hoje, fico imaginando qual a graça de comer com alguém do seu lado. Sozinha, ao menos, ninguém se importa com a quantidade de comida ou a velocidade que você emprega para comer. Você pode decidir se vai terminar e ir embora, ou se vai ficar algum tempo mais ali, sem fazer nada. Pode decidir se come a sobremesa-brinde, ou se compra um chocolate. Pode pensar na vida, sem ser interrompido.
O outro passo crucial que dei na vida de pessoa que mora sozinha foi ir ao cinema desacompanhada. Fiz isso hoje. Feriado, terça-feira. Eu podia ter ligado para alguém (isso seria ir contra meus princípios, mas tudo bem), combinado com outras pessoas. Mas nem ao menos tentei contatar outros indivíduos. Eu queria ir sozinha. Queria poder escolher qualquer filme para ver. Queria ir bem no meio da tarde. Queria comer a pipoca doce do CineArt, com uma latinha de coca-cola. Queria ter a mesma liberdade de escolha que tenho quando estou sozinha em casa. E exerci.
Sinto-me mais leve por isso. Sinto-me mais eu.



Comentários:

Anonymous Carol disse:
queria escrever assim q nem vc :~ o texto ta otimo!! ta gostoso d ler... :)
agora vou ver do q vc achou do filmee.. \o/
bjos
 
Anonymous george disse:
eu adoro ir no cinema sozinho.. se bem que faz muito tempo que nao faço isso :~
euaheiieooea
beijo gabz
 


Participe desta conversação :)



<< Voltar para o blog
flickr
   

 feed

receba as atualizações do blog por e-mail



categorias academicismos
amenidades
blogs
direito
filmes
google
internet
livros
memes
mídia
orkut
politiquês
querido diário
stumbles
tecnologia


sobre
about me
del.icio.us
flickr
last.fm
orkut
43metas
nano novel
textos
flog
stumbleupon
Gilmore Girls





blogroll
animaizinhos toscos
argamassa
ariadne celinne
atmosfera
bereteando
blog de lynz
blog del ciervo ermitaño
direito de espernear
direito e chips
dossiê alex primo
efervescendo
enfim
every flower is perfect
garotas zipadas
giseleh.com
grande abóbora
hedonismos
il est communiqué
jornalismo de resistência
jornalismo na web 2.0
lavinciesca
marmota
novos ares
pensamentos insanos
rafael gimenes.net
reversus
sententia
universo anárquico
vidacurta.net
vejo tudo e não morro
w1zard.com


arquivo
Agosto 2005
Setembro 2005
Outubro 2005
Novembro 2005
Dezembro 2005
Janeiro 2006
Fevereiro 2006
Março 2006
Abril 2006
Maio 2006
Junho 2006
Julho 2006
Agosto 2006
Setembro 2006
Outubro 2006
Novembro 2006
Dezembro 2006
Janeiro 2007
Fevereiro 2007
Março 2007
Abril 2007
Maio 2007
Junho 2007
Julho 2007
Agosto 2007
Setembro 2007
Outubro 2007
Novembro 2007
Dezembro 2007


etc.










Save the Net

Stumble Upon Toolbar

Creative Commons License

Official NaNoWriMo 2006 Winner